Como reagir as birras de crianças

Entre os 2 e os 4 anos, quase todas as crianças têm birras, acessos de fúria incontrolada durante os quais não atendem a argumentos razoáveis, podendo atirar brinquedos ou outros objectos e lançarem-se ao chão.

Embora sejam preocupantes para os pais, essas manifestações constituem uma fase natural do crescimento. Encaradas com calma, as birras depressa acabam e não acarretam qualquer espécie de problema físico ou psíquico. Por volta dos 5 anos, a maior parte das crianças ultrapassa esta fase.

As birras e o comportamento não colaborante que as acompanha são um sinal de que, pela primeira vez, a criança se reconhece como um ser individualizado, capaz de exprimir os seus gostos e as suas aversões. Contudo, não aprendeu ainda a ceder; de cada vez que a sua vontade é contrariada há um conflito cm potência que os pais têm de resolver.

Como reagir a Birras de Crianças

Os pais devem aceitar o facto de as birras não serem manifestações de maldade ou provocação, mas fazerem parte do processo de ajustamento da criança ao mundo. Não vale a pena tentar chamá-la à razão, discutir com ela ou castigá-la.

Devem manter a maior calma possível e, se necessário, deixar a criança no quarto para que ela resolva sozinha a sua zanga. Não devem envolver-se numa batalha frontal de vontades, pois a sua zanga só aumentaria a dela. Devem recorrer à sua compreensão de adultos a fim de evitar choques por exemplo, distraindo a criança, fazendo-a rir OU levando-a subtilmente a fazer o que dela se pretende.

São vulgares as birras por causa da comida. Os pais não devem forçar a criança a comer, pois ela não morrerá à fome enquanto houver comida. Em todas as birras, a criança voltará a ficar tranquila e razoável quando sentir que exprimiu a sua vontade. Até chegar essa fase, os pais devem mostrar-se pacientes.

Se, porém, começarem a reagir com violência às birras ou estas os irritarem de tal modo que deixem ele sentir prazer na companhia ela criança, devem aconselhar-se com o médico assistente.


One Response

  1. creusa 29 de Novembro de 2010

Adicionar Comentário