Instrumentos de avaliação de qualidade de vida

Como já foi possível constatar para reflectir sobre qualidade de vida em:

é necessário ter em atenção as várias perspectivas e os múltiplos critérios mas não é tudo pois, por exemplo, para orientar programas de promoção de qualidade de vida ou para
simplesmente comparar a qualidade de vida de indivíduos pertencentes à mesma cultura ou não, é necessário avaliá-la, e então, criaram-se os instrumentos de avaliação de qualidade de vida. Estes instrumentos permitem que o indivíduo realize uma introspecção e avalie a sua própria qualidade de vida.

Os instrumentos de avaliação de qualidade de vida permitem explorar o impacto de uma doença sobre a vida dos pacientes. Avaliam aspectos como as disfunções e os desconfortos físicos e emocionais; identificam pacientes que necessitam de cuidados
particulares ou tratamento médico. Enfim, ajudam na decisão e no planeamento de determinados tratamentos e ajudam na avaliação desse tratamento.

As condições dos elementos de avaliação da qualidade de vida, para serem aplicados são:

  • apresentar um formato simples,
  • ser de fácil aplicação e compreensão
  • e devem apresentar uma extensão apropriada.

Instrumentos de avaliação de qualidade de vida

Os instrumentos de avaliação de qualidade de vida dividem-se em dois tipos:

  • Instrumentos genéricos de avaliação de qualidade de vida
  • Instrumentos específicos de avaliação da qualidade de vida

Os instrumentos genéricos medem os distúrbios de saúde percebidos pelo paciente, podem ser aplicados em vários tipos de doenças, tratamentos ou intervenções médicas e entre
culturas e lugares diferentes.

Os instrumentos específicos avaliam uma doença específica e quantificam os ganhos em saúde
após o tratamento.

Exemplos de instrumentos de avaliação da qualidade de vida genéricos:

SHORT FORM 36 (36 questões) (Anita Stewart; Ron Hays; John Ware) anos 80 (avalia 4 domínios – físico; psicológico; independência; relações sociais)

SHORT – FORM 36 é um instrumento de avaliação da qualidade de vida que pode ser usado por diferentes culturas e foi desenvolvido para ser usado em situações diversas, como: avaliação da população geral, avaliação de políticas de saúde e avaliação de práticas e pesquisas no contexto clínico. Difere do WHOQOL-100 e do WHOQOL-BREF pois não avalia o domínio ambiente: por exemplo, não avalia questões como: quão saudável é o seu ambiente físico? E também não avalia o domínio espiritualidade: por exemplo: em que medida você acha que sua vida tem sentido?

WHOQOL 100 (WHOQOL GROUP) 2ª metade da década de 90 (avalia 6 domínios – físico; psicológico; independência; relações sociais; ambiente; espiritualidade)

WHOQOL-100 é um instrumento de avaliação da qualidade de vida, desenvolvido pelo grupo WHOQOL – World Health Organization Qualityt of Life, da Organização Mundial de Saúde. Este grupo, constituído por representantes de diferentes regiões do mundo, surgiu com a finalidade de criar um conceito de qualidade de vida e desenvolver
um instrumento capaz de avaliá-la numa perspectiva internacional.

Efectivamente, há vantagens na existência de um instrumento que avalie a qualidade de vida numa perspectiva transcultural: – Permite comparações entre diferentes culturas:

– Numa perspectiva epidemiológica, permite que questões que envolvam pesquisa multicêntrica possam ser desenvolvidas com medidas mais fidedignas.

– Contribui para o refinamento conceitual na medida em que ao obter informações de diferentes culturas obterá dados importantes que caracterizam o conceito, mas, uma desvantagem deste instrumento é a sua extensão, pois é constituído por 100 questões. Por esta razão surgiu a necessidade de criar um instrumento mais curto, que exigisse pouco tempo para o seu preenchimento e que conservasse características psicométricas satisfatórias e então criou-se o WHOQOL BREF.

WHOQOL BREF (26 QUESTÕES) (WHOQOL GROUP) 2ª metade da década de 90 (avalia 6 domínios físico; psicológico; independência; relações sociais; ambiente; espiritualidade)

WHOQOL BREF é a versão abreviada do WHOQOL – 100, é composto por 26 questões, duas quais são gerais e as restantes 24 representam cada um dos 24 temas que compõe o instrumento original, porquanto cada domínio do WHOQOL -100 é representado por temas o que perfaz um total de 24.

No WHOQOL-100, por cada tema são colocadas quatro questões o que perfaz um total de 96 questões, mais, quatro questões de carácter geral sobre qualidade de vida, e no WHOQOL-BREF, por cada tema é colocada uma questão.

Exemplos de instrumentos de avaliação de qualidade de vida específicos:

THE (quality of life questionnaire – QLQ – Core 30) (30questões) (European Organization Research Treatment of Cancer – EORTC) anos 90 (avalia 5 domínios – físico: engloba questões sobre sintomas físicos; psicológico; independência; relações sociais; ambiente)

THE QUALITY OF LIFE – CORE 30 é composto por 30 questões, duas das quais são globais: sobre a condição física e sobre a qualidade de vida. Avalia sintomas específicos do cancro, avalia o sofrimento psicológico, os efeitos adversos do tratamento, o funcionamento físico, a interacção social, a saúde global, a satisfação com o cuidado médico e a qualidade de vida. Pode ser aplicado em diferentes países/culturas.

Este instrumento tem uma particularidade pois para avaliar a qualidade de vida de doentes com cancro da mama é necessário usá-lo com outro instrumento: THE QUALITY OF LIFE – BR 23, que é um instrumento composto por 23 questões que avalia sintomas específicos desta patologia, avalia a imagem corporal, a sexualidade, e as preocupações com a saúde no futuro.

THE QUALITY OF LIFE – CORE 30 é considerada aplicável para muitos diagnósticos de cancro mas não é adequada para usar em crianças, e, não se sabe do resultado da sua sensibilidade em pessoas idosas com múltiplas patologias. Pode ser utilizado em conjunto com o instrumento de avaliação de qualidade de vida genérico:

SF-36, pois enquanto o SF-36 avalia a qualidade de vida do indivíduo, o QLQ – C30 avalia o impacto da doença nesse mesmo indivíduo.

(Audit Diabetes Dependent Quality of Life ADDQoL) (13 questões) (Clare Bradley; Rosalind Plowright et al) – 1999 (avalia 5 domínios – físico; psicológico; independência e relações sociais;ambiente.

O instrumento Audit Diabetes Dependent Quality of Life mede a percepção individual do impacto da diabetes na qualidade de vida dos indivíduos. Convida- os a comparar critérios de avaliação de qualidade de vida com e sem a patologia – diabetes.

Exemplo: Se eu não tivesse diabetes minha vida social seria em grande parte melhor – em grande parte pior / se eu não tivesse diabetes minhas amizades seriam em grande parte melhores – em grande parte piores.

Este instrumento não foi testado em idosos e pode ser usado em diferentes países/culturas. Pode se utilizado em conjunto com o WHOQOL-BREF, pois enquanto o WHOQOL-BREF avalia a qualidade de vida, o ADDQol avalia o impacto da doença
no indivíduo.

WHOQoL – OLD ( 24 questões) – (WHOQOL GROUP) 2004 (avalia 4 domínios – físico; psicológico; independência; relações sociais)

WHOQOL – OLD é um instrumento da avaliação da qualidade de vida, específico para idosos. Avalia a qualidade de vida numa perspectiva transcultural e avalia critérios de avaliação da qualidade de vida como: habilidades sensoriais; autonomia; actividades presentes e futuras; participação social; intimidade; receios.

Este instrumento não deve ser aplicado individualmente mas sim em conjunto com outro instrumento do grupo WHOQOL, o WHOQOL- BREF, pois este avalia critérios de avaliação de qualidade de vida que se complementam com os critérios do WHOQOL- OLD.

Existem muitas escalas de avaliação de qualidade de vida e irão surgir mais à medida que irá surgindo necessidade. Sérgio Pachoal, em 2001, referiu, na sua Tese de mestrado Qualidade de vida do idoso: elaboração de um instrumento que privilegia sua opinião, a necessidade de se criar um instrumento de avaliação de qualidade de vida específico para idosos, que valorizasse a opinião deles a respeito das questões que consideram importantes. Neste momento Sérgio Pachoal, já elaborou um instrumento específico para idosos e em 9 de Dezembro de 2007 ainda não estava validado.

O WHOQOL GROUP da Organização Mundial de Saúde terminou em Junho de 2008 um projecto cujo nome, Quality of Care and Quality of Life for People with Intellectual and Physical Disabilities, que teve como intuito construir mais um instrumento específico de avaliação da qualidade de vida, o DIS – QOL, que avalia a qualidade de vida em portadores de incapacidade física e mental. Este instrumento também foi desenvolvido numa perspectiva transcultural e participaram do projecto 16 países (Índia; Uruguai; Holanda; Brasil; Japão; Alemanha; República Checa; Escócia;
Suiça; Espanha; França; Turquia; Noruega; Inglaterra; Lituânia; Itália).

Por tudo o que foi dito, verificamos que o empenho na área do desenvolvimento de instrumentos de avaliação de qualidade de vida é de considerar, e, o facto de haver uma preocupação transcultural é uma mais valia, na medida em que, certamente contribui para o desenvolvimento das pesquisas em qualidade de vida em diversos países.


Adicionar Comentário