Etoposido Teva 100 mg/5 ml Solução Injectável Etoposido caracteristica medicamento

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1. NOME DO MEDICAMENTO

Etoposido Teva 100 mg/5 ml solução injectável, 20 mg/ml, solução injectável

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Etoposido, 100 mg/5 ml

Excipientes:
Cada ampola contém 241mg de etanol por ml.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Solução Injectável

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

O Etoposido está indicado no tratamento de :
? Tumores testiculares refractários
Em tratamento de combinação com outros agentes quimioterápicos, empacientes com tumores testiculares refractários, que já tenham sido submetidosa tratamentos de quimioterapia, radioterapia ou cirurgia apropriados.
? Cancro de células pequenas do pulmão
Em tratamento de combinação com outros agentes quimioterápicos, como 1ªlinha de tratamento.

Posologia e modo de administração
Os produtos para administração parentérica devem ser inspeccionadosvisualmente quanto aos parâmetros ausência de partículas e descoloração,antes da administração, quando a solução e o recipiente o permitam.
Administração é parentérica. A dosagem é de 100-120 mg/m2 de superfíciecorporal por dia, durante 5 dias consecutivos, seguidos de um intervalo de 10-20dias. O conteúdo das ampolas a administrar deve ser dissolvido, imediatamenteantes da administração, em solução de glicose a 5% ou em solução salina ( 100mg de Etoposido por 500 ml).

O Etoposido deve ser administrado apenas por infusão endovenosa lenta
(usualmente durante um período de 30 a 60 minutos), visto que foi referidahipotensão como um possível efeito secundário da injecção endovenosa rápida.
Geralmente são efectuados 3 ou 4 ciclos de tratamento.

A dose a administrar e o número de ciclos devem ser ajustados à reacção damedula óssea e à reacção do próprio tumor.

? Diluição da solução injectável de Etoposido
A solução pode ser diluída com Dextrose a 5% para injecção, ou solução de
Cloreto de Sódio a 0.9% para injecção, de modo a obter uma concentração finalentre 0.2 e 0.4 mg/ml. Em concentrações maiores pode ocorrer precipitação. Asdiluições de solução injectável de Etoposido em solução de Dextrose a 5% ousolução de Cloreto de Sódio 0.9% são estáveis durante 120 horas. O Etoposidonão deve ser fisicamente misturado com nenhum outro fármaco. Soluções queapresentem sinais de precipitação não devem ser administradas.

4.3 Contra-indicações

O uso de Etoposido está contra-indicado nas seguintes situações :
-Em doentes que tenham demonstrado hipersensibilidade à substância activa oua qualquer dos excipientes
Em doentes com evidência de insuficiência hepática grave.
Em doentes com mielossupressão, excepto se esta for devida à doençasubjacente.

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

O Etoposido deve ser administrado sob vigilância médica especializada nautilização de agentes quimioterápicos para o tratamento do cancro, numainstituição onde haja experiência neste tipo de tratamento.
As vantagens de utilização do Etoposido devem ser ponderadas tendo em contao risco de efeitos colaterais. A maioria dos efeitos colaterais é reversível sedetectados a tempo. Se se observarem reacções adversas severas, a dosagemdeve ser reduzida ou a administração suspensa, e devem ser tomadas medidasadequadas de acordo com a decisão médica. Se a terapêutica com Etoposidofor recomeçada isto deve ser feito com ponderação. Devemos ter em conta queos fenómenos tóxicos podem ocorrer de novo.
O Etoposido não deve ser administrado por via intra-arterial, intra-pleural ouintra-peritoneal. O Etoposido destina-se somente a administração endovenosa.
Deve ter-se extremo cuidado para evitar extravasão do produto. Se ocorrerextravasão, a administração deverá ser suspensa imediatamente e recomeçadaem outra veia. Arrefecimento, irrigação com solução salina e infiltração local comcorticosteróides têm sido reportados como medidas terapêuticas.

O Etoposido tem efeitos genotóxicos. Durante o tratamento e pelo menosdurante 6 meses seguintes, tanto homens como mulheres devem tomar medidascontraceptivas. Devido à possibilidade de infertilidade definitiva, a crio-
conservação de esperma antes do inicio do tratamento pode ser ponderada.
Preparação de Administração Intravenosa

O Etoposido solução injectável deve ser diluído em solução a 5% de Dextrose
Injectável ou em solução a 0.9% de Cloreto de Sódio Injectável para obter umaconcentração final de 0.2 mg/ml. As diluições de Etoposido solução injectávelem solução a5% de Dextrose ou em solução a 0.9% de Cloreto de Sódio sãoestáveis durante 120 horas.
Nota: O Etoposido não deve ser administrado por injecção endovenosa rápida.
O Etoposido não deve ser fisicamente misturado com nenhum outro fármaco.
Soluções apresentando sinais de precipitação não devem ser administradas.
Mielodepressão
Os efeitos mielodepressores devem ser vigiados regularmente nos doentestratados com Etoposido, durante e após a administração do produto. Amielodepressão é o caso de toxicidade mais significativo associado à terapêuticacom Etoposido. Devem ser realizadas as seguintes contagens sanguíneascompletas antes de iniciar o tratamento e antes de cada novo ciclo:
Contagem de plaquetas
Hemoglobina
Fórmula leucocitária
A ocorrência de uma contagem de plaquetas inferior a 100,000/mm³, de umaleucopénia de < 2000/mm3 ou uma contagem neutrófila absoluta inferior a
500/mm³ constituem uma indicação para interrupção da terapêutica aténormalização dos valores sanguíneos. (geralmente passados 10 dias). Deve ter-
se em conta o risco de ocorrência de reacção anafiláctica.
As infecções bacterianas devem ser tratadas antes do início da terapêutica com
Etoposido. Deverá ter-se precaução na administração de etoposido em doentesque apresentem, ou já apresentaram, infecções com herpes zoster.
A administração de etoposido deve ser suspensa nos casos de trombocitopenia.
A função hepática e a contagem sanguínea devem ser monitorizadas.
Se tiver ocorrido mielossupressão devido a radioterapia ou quimioterapia, devepermitir-se um período para recuperação medular. Não é recomendado orecomeço do tratamento com etoposido sem antes averiguar se a contagemplaquetária apresenta um valor mínimo de 100000/mm3
Doentes com reduzida concentração sérica de albumina apresentameventualmente um aumento do risco de toxicidade por etoposido.
O Etoposido contem polisorbato 80 como excipiente. Em bebés prematuros foidescrito um síndroma grave que consiste em falência hepática e renal,insuficiência respiratória, Trombocitopénia e ascite, que ocorreu após aadministração de um produto contendo vitamina E para administraçãoparentérica, e que também continha polisorbato 80.
Qualquer contacto com Etoposido deve ser evitado. Durante a preparação, deveser levada a cabo uma rigorosa técnica asséptica; como medidas necessáriasde protecção salientam-se o uso de luvas, máscara, óculos de protecção evestuário de protecção. É recomendada a utilização de uma câmara de fluxolaminar. Durante a administração devem ser utilizadas luvas de protecção. Se o
Etoposido entrar em contacto com a pele, mucosas ou olhos, lavar de imediatocom água em grande quantidade. A pele pode ser lavada com sabão. Apósextravasão, pode ocorrer irritação e inflamação dos tecidos moles. Geralmente

não ocorre ulceração. A segurança e a eficácia em crianças ainda não foiconfirmada.
A ocorrência de leucemia aguda, que pode acontecer com ou sem sindromemielodisplástica, tem sido descrita em doentes tratados com etoposido emregimes quimioterapêuticos.
Reacções de hipersensibilidade
Podem ocorrer reacções do tipo anafiláctico caracterizadas por arrepios, febre,taquicardia, bronco-espasmos, dispneia e hipotensão em 0,7% a 2% dosdoentes que receberam Etoposido endovenoso. Habitualmente, estas reacçõesresponderam imediatamente à interrupção da infusão e à administração deterapêutica apropriada.
O Etoposido deve ser administrado sob vigilância de um médico especialista nouso de agentes quimioterápicos.
Pode ocorrer mielodepressão grave acompanhada de infecção ou sangramentopelo que os doentes sob Etoposido devem ser observados regularmente pormielodepressão durante e após a terapêutica. A depressão da medula óssea édose limitante sendo a toxicidade mais frequentemente associada à terapêuticacom Etoposido. Assim, no início da terapêutica e antes da administração decada dose de Etoposido, devem ser realizados os seguintes exameslaboratoriais: contagem plaquetária, hemoglobulina e contagem glóbulosbrancos. A ocorrência de contagem plaquetária inferior a 50.000/mm³ ou umacontagem absolutamente neutrófila abaixo de 500/mm³ é uma indicação parainterromper a terapêutica até recuperação da contagem sanguínea.
O Etoposido só deve ser administrado por perfusão endovenosa lenta
(habitualmente acima de 30 a 60 minutos) dado que a hipotensão foi reportadacomo um possível efeito adverso da injecção endovenosa rápida.
Podem ocorrer reacções do tipo anafiláctico caracterizadas por arrepios, febre,taquicardia, bronco-espasmos, dispneia e hipotensão (ver reacções adversas).
O tratamento é sintomático. A perfusão deve ser interrompida imediatamente,seguida de administração de agentes pressores, corticosteróides,antihistamínicos ou expansores de volume, segundo o critério do médico.

4.5 Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

O efeito dos anticoagulantes orais pode ser intensificado. A Fenilbutazona, osalicilato de sódio, e o ácido acetil-salicílico podem inibir a ?in vitro? a ligação do
Etoposido às proteínas, em concentrações atingidas ?in vivo?.
A ocorrência de leucemia aguda que pode surgir com ou sem a fase pré-
leucémica foi raramente reportada em doentes tratados com Etoposido emassociação com outros fármacos anti-neoplásicos tais como a Bleomicina,
Cisplatina, Ifosfamida e Metotrexato.
Nota: A solução IV pronta a usar não deve ser fisicamente misturada comnenhum outro fármaco.
O etoposido pode potenciar acção citotóxica e mielossupressora de certassubstâncias.

A administração concomitante de etoposido e elevadas doses de ciclosporinapode resultar num elevado aumento das concentrações séricas de etoposido e orisco de ocorrência de efeitos indesejáveis. Provavelmente é resultado dareduzida depuração e aumento do volume de distribuição do etoposido quando aconcentração sérica de ciclosporina excede os 2000 ng/ml. A dose de etoposidodeve ser reduzida em 50% com administração concomitante de elevada dose deciclosporina por infusão.

Etoposido/Vacinas, vírus mortos
Dado que os mecanismos de defesa normais podem ser suprimidos pelaterapêutica com Etoposido, a resposta do doente à vacina pode diminuir. Ointervalo entre a interrupção da medicação causadora de imunodepressão e arecuperação da resposta do doente à vacina depende da intensidade e do tipode medicação causadora de imunodepressão utilizada, da própria doença e deoutros factores; esse intervalo varia de 3 meses a 1 ano.
Etoposido/Vacinas, vírus vivos
Dado que os mecanismos de defesa normais podem ser suprimidos pelaterapêutica com Etoposido, o uso concomitante de uma vacina de vírus vivopode potenciar o vírus da vacina, aumentando os efeitos adversos da mesma,e/ou diminuir a resposta do doente à vacina; a imunização destes doentes deveser garantida com extrema precaução após exame cuidadoso dos valoreshematológicos do doente e apenas com o conhecimento e consentimento domédico responsável pela terapêutica com Etoposido. O intervalo entre ainterrupção da medicação causadora de imunodepressão e a recuperação daresposta do doente à vacina depende da intensidade e do tipo de medicaçãoresponsável pela imunodepressão utilizada, da própria doença e de outrosfactores; esse intervalo varia de 3 meses a 1 ano.
Doentes com leucemia em recuperação não devem receber vírus vivos até pelomenos 3 meses após a última quimioterapia. Além disso, a imunização comvacinas poli-vírus orais deve ser adiada nos indivíduos em contacto directo como doente, nomeadamente familiares.

4.6 Gravidez e aleitamento

O etoposido pode ter efeitos genotóxicos e consequentemente afectar odesenvolvimento embrionário. Não existem dados suficientes para umconhecimento completo dos possíveis riscos do uso de Etoposido na mulhergrávida. Com base no efeito farmacológico do Etoposido, existe a possibilidadede risco no uso durante a gravidez. Em experiências animais o Etoposidodemonstrou poder causar dano fetal. Desconhece-se se o Etoposido é excretadono leite materno. Para prevenir potenciais riscos para o lactente, o aleitamentomaterno deve ser suspenso antes do tratamento.
O tratamento com Etoposido não deve ser iniciado antes que seja posta de parteuma potencial gravidez. As doentes deverão ser completamente esclarecidasacerca dos sérios riscos para o feto, caso ocorra uma gravidez durante otratamento.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não existem dados acerca dos efeitos do Etoposido nesta actividade. Se osraros efeitos tóxicos sobre o sistema nervoso central se manifestarem
(sonolência, fadiga), ou cegueira cortical transitória, naúseas e vómitos acondução de veículos ou o manuseamento de máquinas é desaconselhada.

4.8 Efeitos indesejáveis

A maioria das reacções adversas são reversíveis se detectadas precocemente.
Caso ocorram reacções graves, a dose deve ser reduzida ou descontinuada edevem ser instituídas medidas correctivas (ver Precauções).
Neoplasias benignas malignas
O risco de leucemia secundária em doentes com tumores nas célulasgerminativas após tratamento com etoposido é cerca de 1%. A leucemia écaracterizada com um periodo de latência relativamente curto (média 35 meses(,monocitica ou mielomonocitica sub tipo FAB, alterações cromossómicas a 11q23em cerca de 50% e uma boa resposta à quimioterapia. Uma dose cumulativatotal (etoposido> 2g/m2 é associado ao aumento de risco.
Etoposido está também associado com o desenvolvimento de leucemiapromielocitica aguda. Elevadas doses de etoposido (> 4000 mg/m2) parecemaumentar o risco de leucemia promielocitica aguda.

Doenças do sangue e do sistema linfático
Muito frequentes: A mielodepressão é o factor dose-limitante mais comum nouso do Etoposido. Os níveis mais baixos de granulócitos ocorrem 5-15 dias apósa administração do fármaco e os de plaquetas ocorrem 9-16 dias após aadministração. A recuperação da medula óssea completa-se usualmente pelo
21º dia e não foi referida toxicidade cumulativa. A frequência de toxicidade dosistema hematopoiético é a seguinte:

Leucopenia:
< 4.000 leucocitos/mm³ (60-91%)

< 1.000 leucocitos/mm³
(7-17%)
Trombocitopenia: <
100.000
plaquetas/mm³

(28-41%)
<
50.000
plaquetas/mm³
(4-20%)
Anemia

(40%)

A ocorrência de leucemia aguda com ou sem fase pré-leucémica foi referidararamente em doentes tratados com Etoposido em associação com outrosagentes antineoplásicos, (bleomicina cisplatina, ifosfamida e metotrexato).
Foram reportados casos fatais de mielosupressão.
Tem sido reportado a ocorrência de infecções em doentes com depressão damedula óssea.
Doenças do sistema imunitário

Frequentes: Foram referidas reacções do tipo anafiláctico caracterizadas porarrepios, febre, taquicardia, broncospasmo, dispneia e hipotensão em 0,7% a
2% dos doentes que receberam Etoposido. Usualmente, estas reacções cedemimediatamente à interrupção da infusão e à administração de fármacos paraaumento da pressão arterial, corticosteróides, anti-histamínicos ou expansoresde volume apropriados. Foi referida uma reacção aguda fatal associada combroncospasmo. Foram também referidos hipertensão e rubor. A pressãosanguínea usualmente normaliza algumas horas após a interrupção da infusão.
Em crianças a quem se administram doses mais do que as recomendadas,reacções tipo anafilácticas têm sido reportadas com maior frequência.
Também sido observados casos de eritema, edema facial e língua, tosse,transpiração, cianose, laringoespasmo e hipertensão. A pressão sanguínearetorna ao normal dentro de poucas após suspensão da terapia.
Este medicamento contém polissorbato 80. Em bébés prematuros, um sindromeameaçador de vida com insuficiência hepática e renal, função pulmonar alterada,trombocitopénia e ascite têm sido reportados em consequência da administraçãode vitamina E injectável contendo polissorbato 80.
Doença do sistema nervoso
Muito frequentes: alterações do sistema nervoso central (fadiga, tonturas) foramem 0-3% dos doentes
Frequentes: Foi observada neuropatia periférica em 0.7% dos doentes. O usosimultâneo de sulfato de vincristina pode aumentar o risco de neuropatia.
Raros: alterações comportamentais têm sido reportadas, ocasionalmente emassociação a reacções de hipersensibilidade.
Têm sido reportados casos de astenia.

Afecções oculares
Perda de visão reversível. Neurite óptica e cegueira cortical transitória têm sidorelatadas.

Sistema Cardiovascular
Frequente: Em 1% a 2% dos doentes foi referida uma hipotensão passageiraapós a administração endovenosa rápida, a qual não foi associada comtoxicidade cardíaca nem com alterações electrocardiográficas. Não se verificouhipotensão de aparecimento tardio. Para prevenir esta rara ocorrência,recomenda-se administrar o Etoposido por infusão endovenosa lenta durante umperíodo de 30 a 60 minutos. Se ocorrer hipotensão, esta normalmente cede coma interrupção da infusão e a administração de fluídos ou outros tratamentos desuporte apropriados. Ao reiniciar a infusão deverá usar-se uma velocidade deadministração mais lenta.
Pouco frequentes: têm sido relatados casos de arritmia e enfarte do miocárdio.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino
Raros: pneumonia intersticial ou fibrose quística

Doenças Gastrointestinais

Muito frequentes: As náuseas e vómitos constituem as principais toxicidadesgastro-intestinais, cuja gravidade é geralmente suave a moderada,condicionando a interrupção do tratamento em 1% dos doentes. As náuseas eos vómitos podem usualmente ser controlados com a terapêutica anti-eméticapadrão.
Anorexia
Frequentes: dor abdominal e diarreia são frequentemente observadas.
Estomatite tem sido observada em aproximadamente 1-6% dos doentes.
Mucosite e esofagite podem ocorrer.
Raros: obstipação e alterações na deglutição podem ser raramente observadas.
Disfagia e alteração do sabor têm sido relatadas.

Afecções hepatobiliares
Frequentes: disfunção hepática tem sido observada em 0-3% dos doentes.
Elevadas doses de etoposido pode causar aumento de bilirrubina, SGOT efosfatases alcalinas.

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneas
Muito frequentes: Observou-se alopécia reversível em mais de 70% dosdoentes, por vezes progredindo até à calvície total.
Pouco frequentes: rash, urticária, pigmentação e prurido tem sido relatadas apósadministração de etoposido.
Raros: reincidência de síndroma de dermatite nos pés e mãos. Também sidoreportado Sindrome de Stevens Johnson, contudo, não foi ainda estabelecidanenhuma relação causal com etoposido
Perturbações gerais e alterações no local de administração
Hiperuricémia pode ocorrer. Febre.
Etoposido apresenta elevadas concentrações no fígado e rim, apresentado porconseguinte potencial acumulação em casos de alteração funcional
Raros: em casos raros, flebite tem sido observada após administração deetoposido. Esta reacção adversa pode ser evitada por infusão intravenosadurante 30 a 60 minutos. Após extravasão, irritação dos tecido moles einflamação podem ocorrer ocasionalmente.

Outros
Os efeitos depressivos do Etoposido sobre a medula óssea podem resultarnuma incidência de aumento de infecção microbiana, restabelecimentoprolongado e hemorragia gengival. O Etoposido pode ainda causar estomatite, aqual pode associar-se a um considerável desconforto.

Em doentes tratados com doses superiores às convencionalmenterecomendadas foram descritos efeitos secundários mais graves, nomeadamenteparotidites, doença veno-oclusiva hepática, convulsões e coma.

Existe risco de efeitos secundários mortais em doentes tratados com etoposido.

 4.9 Sobredosagem

A administração de Etoposido pode causar toxicidade. A administraçãoendovenosa diária durante 3 dias numa dose total de 2.4-3.5 g/m2 causamucosite e toxicidade medular severas. Há referências a acidose metabólica e atoxicidade hepática em doentes que receberam doses mais elevadas de
Etoposido que as recomendadas
Em caso de sobredosagem, se ocorrer depressão medular, devem seradministradas transfusões de concentrado de eritrócitos e/ou plaquetas. Seocorrer hipersensibilidade ao Etoposido podem utilizar-se antihistamínicos oucorticóides endovenosos.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo Fármacoterapêutico: 16.1.5 ? Medicamentos antineoplásicos eimunomoduladores. Citotóxicos. Inibidores da topoisomerase II
Código ATC: L01CB01
O Etoposido é um agente antineoplásico, derivado semi-sintético da
Podofilotoxina.
O Etoposido é um citostático do grupo dos inibidores de mitoses. A sua principalacção é a prevenção da ocorrência de mitoses, além de levar a uma interrupçãodas mitoses já iniciadas.
O mecanismo de acção do Etoposido não é exactamente conhecido, mas oproduto parece produzir os seus efeitos citotóxicos danificando o AND e, dessemodo, inibindo ou alterando a síntese do AND. O Etoposido parece ser ciclo-
celular dependente e fase-ciclo específico, introduzindo a paragem da fase G2 epreferencialmente provocando a morte celular nas fases G2 e S tardia.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Após administração endovenosa, o Etoposido distribui-se segundo um processobifásico com uma semi-vida de distribuição de cerca de 1,5 horas e uma semi-
vida de eliminação terminal variando de 6-12 horas.
Os valores da depuração total corporal variam de 15 a 27 ml/min/m2 e, tal comoa semi-vida de eliminação terminal, são independentes da dose entre os limitesde 100-600 mg/m². Após administração repetida de 100mg/m2/dia não ocorreuacumulação.
O Etoposido só penetra parcialmente no sistema nervoso central. O Etoposido émetabolizado, embora só parcialmente, resultando um hidroxiácido, queaparentemente não possui acção citotóxica. Outros metabolitos incluem oglucuronido e conjugados sulfato. In vitro, estes apresentam actividadecitotóxica mínima.

O Etoposido distribui-se minimamente no líquido pleural e foi detectado nasaliva, fígado, baço, rins, miométrio, tecido cerebral saudável e tecido tumoralcerebral. Desconhece-se se o Etoposido se distribui no leite. Nos animais, ofármaco aparentemente atravessa a placenta.
O Etoposido liga-se largamente às proteínas plasmáticas humanas (74-94%).
O Etoposido é removido tanto por processo renal como não renal, i.e.,metabolismo e excreção biliar. Não se conhece o efeito da doença renal nadepuração plasmática do Etoposido. A excreção biliar parece ser uma viamenor da eliminação do Etoposido. Apenas 6% ou menos de uma doseendovenosa se recolhe na bílis, como Etoposido. Em adultos, a depuraçãocorporal total do Etoposido está relacionada com a depuração de creatinina, aconcentração de albumina sérica e a depuração não renal. Em crianças, níveiselevados de SGPT sérica estão associados a uma reduzida depuração corporaltotal do produto. O uso prévio de Cisplatina pode também resultar numadiminuição da depuração corporal total do Etoposido, em crianças.
Após a administração endovenosa, aproximadamente 44% da doseadministrada é eliminada na urina até às 72 horas, sendo cerca de 29% na suaforma inalterada e 15% como produtos de bio-transformação. Nas crianças asemi-vida de eliminação terminal é de 3 horas e a depuração sistémica é de 18-
40 ml/min/m2. Na criança, cerca de 55% da dose é excretada na urina como
Etoposido em 24 horas.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Mutagenicidade
O potencial mutagénico e genotóxico do Etoposido foi estabelecido nas célulasde mamíferos. O Etoposido provoca aberrações na numeração cromossómica ena estrutura de células murine embrionárias e de células hematopoiéticashumanas. O Etoposido provocou também mutações genéticas em célulasováricas de hamster chineses e alterações do DNA por clivagem e proteínasligadas ao DNA em células leucémicas de ratinhos.
Carcinogeneicidade
Testes de carcinogenicidade com Etoposido não foram realizados em animaisde laboratório. O Etoposido deve ser considerado um potencial carcinogéneo nohomem.
Teratogeneicidade
O Etoposido é teratogénico e embriotóxico em ratos e ratinhos em doses 1% a
3% da dose clínica recomendada em relação à superfície corporal.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos excipientes

Ácido cítrico anidro, polissorbato 80, etanol absoluto e polietilenoglicol 300

 6.2 Incompatibilidades

O Etoposido não deve ser fisicamente misturado com qualquer outro produto.

6.3 Prazo de validade

O produto é estável até à data de validade indicada (3 anos após a data defabrico) desde que armazenado à temperatura ambiente e protegido da luz.
Soluções que mostrem sinais de precipitação não devem ser administradas.
As soluções de Etoposido diluídas em Dextrose a 5% para injecção ou em NaCl
0,9% para injecção são estáveis durante 120 horas.

6.4 Precauções especiais de conservação

O produto deve ser conservado à temperatura ambiente, protegido da luz.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

-Cada frasco contém 100 mg de Etoposido em 5 ml de solução. O frasco-
ampola é fechado com elastómero (clorobutilo) e selado com cápsula dealumínio mais Flip-off.
-Frasco-ampola de vidro neutro, incolor, tipo I, USP.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Como com todas as preparações citotóxicas, devem tomar-se precauções parao manuseamento seguro do produto.
1.Apenas pessoal treinado deve preparar o produto. Mulheres grávidas nãodevem ser envolvidas neste processo.
2.Deve realizar-se em área adequada, idealmente numa câmara de fluxo laminarvertical (Classe II). A superfície de trabalho deverá ser revestida com papelabsorvente plastificado por trás e descartável.
3.Deve ser usada roupa protectora adequada, i.e., luvas de PVC, óculos desegurança, máscaras e batas descartáveis. Em caso de contacto com os olhos,lavar com grandes quantidades de água ou soro fisiológico.
4.Usar fechos de luer adequados em todas as seringas e conjuntos. A possívelformação de aerossóis pode ser reduzida usando agulhas de grande calibre eagulhas ventiladoras.
5.Todo o material não utilizado, agulhas, seringas, frascos e outros que tenhamestado em contacto com o produto, devem ser segregados, colocados em sacosduplos de polietileno selados e incinerados a 1000° C ou mais. Os produtos deexcreção devem ser igualmente tratados. Os líquidos derramados podem serarrastados com grandes quantidades de água

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO
Teva Pharma – Produtos Farmacêuticos, Lda.
Lagoas Park, Edifício 1, Piso 3
2740-264 Porto Sal

8. NÚMERO(S) DE AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO
Nº de registo: 2665289 – 5 ml, solução injectável, 20 mg/ml, frasco parainjectável

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE
INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 29 de Novembro de 1993
Data da última renovação: 29 de Novembro de 2003


Adicionar Comentário