Enfremagem em casa, como proporcionar bem-estar físico e mental

Tomar conta de uma pessoa doente em casa pode sujeitar todos os membros do agregado familiar a uma certa tensão física e psicológica. Reduza essas tensões ao mínimo, encorajando o doente a fazer sozinho o que lhe for possível e a preservar a dignidade e a autoconsideração.

Assegure-se de que a roupa da cama e a do doente estão sempre limpas, evite atitudes e situações que tornem o doente mais ansioso ou nervoso do que já está. Siga rigorosamente o tratamento prescrito pelo médico. Chame-o imediatamente se o doente piorar ou a convalescença se afigurar demorada.

A escolha do quarto do doente

Em todas as doenças, salvo nas de menor gravidade, o doente necessita de um quarto bem arejado e suficientemente amplo para que a cama seja acessível de ambos os lados. A temperatura ideal deve ser cerca de 15°C, ou 18°C no caso de crianças pequenas e pessoas idosas ou com afecções das vias respiratórias.

O quarto deverá conter uma cadeira de braços para o doente, duas cadeiras para as visitas, uma mesa-de-cabeceira para pôr livros, uma telefonia, um jarro de água, um candeeiro e, se necessário, um intercomunicador. Durante o dia, flores ou plantas ajudarão a alegrar o quarto, mas devem ser retiradas à noite.

Nos casos em que se preveja uma cura rápida ou o doente puder andar à vontade quando está fora da cama, o seu próprio quarto serve. Em doenças mais prolongadas será útil que exista uma casa de banho perto; em alternativa, poderá instalar uma cadeira-sanita.

Os doentes com doenças ligeiras podem dormir à noite no seu próprio quarto, mas poderão gostar de ter um sofá ou uma cadeira cómoda durante o dia na sala de estar. Uma criança pequena, por exemplo, aborrecer-se-á rapidamente se for deixada sozinha.

Como guardar os medicamentos

Não tenha medicamentos no quarto do doente, pois uma criança ou uma pessoa idosa podem tomar uma dose errada. Guarde-os num armário fechado.

A cama e como fazê-la

A cama deve ter cerca de 70 cm de altura para que se torne mais cómodo para o doente entrar e sair dela e seja mais fácil de fazer. O colchão deve ser duro; quando o doente sofrer de um problema de coluna, como, por exemplo, uma hérnia discal, pode ser necessário tornar a cama mais dura colocando tábuas de madeira debaixo do colchão.

Os lençóis e as fronhas devem ser fei­tos de um tecido fácil de lavar, como as misturas de poliéster e algodão. Utilize também cobertores leves ou edredões.

No caso de um doente que sofra de incontinência, coloque sobre o colchão um resguardo com um lençol vulgar por cima. Coloque ao atravessado da cama um resguardo de borracha ou de plástico, com cerca de 90 cm de lar­gura, no local onde assentam as náde­gas do doente; cubra-o com um res­guardo de pano da mesma largura. Se tiver de fazer a cama com o doente dei­tado, deixe-o destapado apenas o tempo estritamente necessário. Certifique-se de que tem sempre pelo menos uma almofada sob a cabeça. Tenha pronto o lençol limpo de cima para o tapar assim que tirar o sujo.

Para mudar o lençol de baixo, role o doente cuidadosamente para um lado da cama. Meta debaixo dele a outra metade do lençol de baixo. Estenda o lençol limpo na metade vazia da cama, entale-o e deixe o que sobra dobrado junto do doente. A seguir, role o doente para o outro lado, para cima do lençol limpo. Retire o lençol sujo e estique o resto do lençol limpo sobre a metade vazia da cama.

Como vestir o doente

Os pijamas e as camisas de noite não devem ter costuras grossas que possam roçar no corpo do doente, causando-lhe desconforto ou ferindo-o. Um doente que saia da cama de vez em quando deve usar um roupão e chinelos; se estiver a pé durante períodos mais longos, encoraje-o a vestir a sua roupa habitual.

Higiene pessoal

Se o doente não puder ir à casa de banho, forneça-lhe sabão, água e uma luva para lavar a cara e as mãos e uma escova para lavar os dentes duas vezes ao dia.

Para dar banho a um doente acamado, prepare três toalhetes (um para o rosto, outro para o corpo e o terceiro para a região genital), três toalhas com a mesma distribuição, dois toalhões turcos, pó de talco, sabonete e bastante água morna. Retire a roupa de cima, coloque um toalhão por baixo do doente e tape-o com o outro.

Comece por lavar e enxugar o rosto, o pescoço e as orelhas. A seguir lave, passe por água e enxugue as mãos e os braços. Dispa o doente e lave e enxugue o peito, abdómen e superfícies laterais do corpo, mantendo-o tanto quanto possível tapado com o toalhão. Lave e enxugue uma perna de cada vez. A seguir, vire o doente de lado para lhe lavar e secar as costas e a região genital. Polvilhe-lhe todo o corpo com pó de talco, retire os toalhões e vista-lhe roupa lavada.

O cabelo do doente deve ser escovado e penteado pelo menos uma vez ao dia e lavado uma vez por semana. Se ele não puder lavar o cabelo, proteja-o e à roupa da cama com um plástico e toalhas e deite-o de costas na cama com a cabeça pendente para fora dela. Coloque no chão uma bacia para recolher a água e lave e enxagúe o cabelo com jarros de água morna. Seque o cabelo com uma toalha aquecida imediatamente após a lavagem e penteie-o.

Escaras de decúbito

Um doente acamado durante um período mais ou menos prolongado corre o risco de formar escaras de decúbito. As partes mais vulneráveis do corpo são as nádegas, as regiões inferior e superior da coluna, os tornozelos, os joelhos, os calcanhares, os cotovelos, os ombros e a parte posterior da cabeça.

Verifique periodicamente se há escaras: os primeiros indícios são manchas descoloridas na pele. Se aparecerem escaras, aconselhe-se com o seu médico.

Ao lavar ou dar banho ao doente, massaje-lhe as zonas vulneráveis com creme de lanolina. Mantenha a pele limpa e seca. Mude imediatamente a roupa que ele use se estiver húmida. Mantenha a cama sem migalhas.

enfemagem_casa


Adicionar Comentário