Dobutamina Genthon Dobutamina caracteristicas medicamento

Resumo das características do medicamento

1.NOME DO MEDICAMENTO

Dobutamina Genthon 12,5 mg/ml concentrado para solução para perfusão.

2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada ampola de 20 ml de concentrado para solução para perfusão contém 280 mg decloridrato de dobutamina equivalente a 250 mg de dobutamina.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.FORMA FARMACÊUTICA

Concentrado para solução para perfusão.

4.INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1Indicações terapêuticas

A dobutamina está indicada para os doentes que necessitam de um efeito inotrópicopositivo, no tratamento da descompensação cardíaca provocada por uma depressão dacontractilidade resultante de doença orgânica cardíaca ou procedimento cirúrgicocardíaco, especialmente quando um débito cardíaco baixo está associado a uma pressãocapilar pulmonar aumentada.

NOTA:
Em caso de choque cardiogénico caracterizado por uma insuficiência cardíaca ehipotensão grave e no caso de choque septicémico, a dopamina é o fármaco de primeiraescolha após correcção de uma eventual hipovolemia.
A dobutamina pode ser útil se associada à dopamina no caso de uma função ventricularalterada, uma pressão de enchimento dos ventrículos aumentada e uma resistênciavascular sistémica aumentada.

4.2Posologia e modo de administração

O concentrado de dobutamina para solução para perfusão deve ser diluído imediatamenteantes da administração, de acordo com a tabela abaixo apresentada, com uma dasseguintes: solução de glucose a 5%, solução de cloreto de sódio a 0,9%, solução delactato Ringer ou solução de lactato de sódio. A concentração a ser utilizada, depende dadose e da necessidade de líquidos do doente. A diluição não deve ultrapassar uma

concentração de 5 mg/ml (5000 µg/ml). A maioria dos doentes reage satisfatoriamente àsdoses de 2,5 a 10,0 µg/Kg/min. Ocasionalmente, contudo, uma dose baixa de 0,5
µg/Kg/min é eficaz. Raramente, é necessária uma dose superior de 40 µg/Kg/min.

A tabela abaixo mostra as directivas para o ritmo de perfusão.

Taxa de
Taxa de administração da perfusão (ml/Kg/min)
administração

do fármaco
250 µg/ml* 500
µg/ml** 1000
µg/ml*** 5000
µg/ml****
(µg/kg/min)

0,5
0,002
0,001
0,0005
0,0001
1,0
0,004
0,002
0,0010
0,0002
2,5
0,010
0,005
0,0025
0,0005
5,0
0,020
0,010
0,0050
0,0010
7,5
0,030
0,015
0,0075
0,0015
10,0
0,040
0,020
0,0100
0,0020
12,5
0,050
0,025
0,0125
0,0025
15,0
0,060
0,030
0,0150
0,0030
*250 mg de dobutamina (1 ampola) adicionados a 1 litro de solvente
**500 mg de dobutamina (2 ampolas) adicionados a 1 litro de solvente ou 250 mg dedobutamina (1 ampola) adicionados a 500 ml de solvente.
***1000 mg de dobutamina (4 ampolas) adicionados a 1 litro de solvente ou 250 dedobutamina (1 ampola) adicionados a 250 ml de solvente.
****250 mg de dobutamina (1 ampola) adicionados a 50 ml de solvente. Esta diluiçãopode ser utilizada nos doentes em restrição de ingestão de fluidos.

A taxa de administração e a duração do tratamento com dobutamina devem ser adaptadosindividualmente às necessidades do doente e à resposta determinada pelo ritmo cardíaco, pressão arterial, diurese e, tanto quanto possível, determinações do débito cardíaco.
Devido ao desenvolvimento de tolerância parcial com perfusões contínuas com duraçãode 72 horas ou superior, podem ser necessárias doses mais elevadas para manter osmesmos efeitos.
Em detrimento de descontinuar abruptamente a duração do tratamento dom dobutamina,
é frequentemente aconselhável diminuir gradualmente a dosagem.

4.3Contra-indicações

A dobutamina não deve ser utilizada nos seguintes casos:

– Hipersensibilidade à dobutamina ou aos seus derivados;
– Descompensação com cardiomiopatia hipertrófica;

– Hipersensibilidade conhecida ao sulfito: especialmente os doentes asmáticos podemreagir a este desenvolvendo broncospasmo e choque anafiláctico.
– Obstrução mecânica que impede a ejecção e o enchimento ventricular esquerdo,especialmente cardiomiopatia obstrutiva, estenose aórtica ou pericardite obstrutiva.

4.4Advertências e precauções especiais de utilização

Em alguns casos após a administração pode ocorrer, devido à estimulação dos b1-
receptores cardíacos pela dobutamina, um significativo aumento da pressão arterialsistólica ou provocar um aumento indesejável da frequência cardíaca, ou provocar umaarritmia frequentemente acompanhada por extrasístoles ventriculares.
No caso de se verificarem um dos efeitos acima mencionados deve proceder-se à reduçãoda dose ou mesmo interrupção temporária da administração.
Nos doentes com fibrilhação auricular pré-existente e que têm uma resposta ventricularrápida, recomenda-se a utilização de uma preparação de digitálicos antes de iniciar otratamento com dobutamina.
No caso de extravasamento, não são necessárias precauções particulares tendo em contaque não se observou vasoconstrição ou isquémia neste casos.
Durante perfusões prolongadas (48-72 horas), pode ocorrer uma diminuição do efeitohemodinâmico, o que indica que poderão ser necessárias doses mais elevadas.
Recomenda-se precaução no caso de choque cardiogénico com hipovolemia; a possívelhipovolemia deve ser corrigida antes da iniciação do tratamento.
Ocasionalmente, foram observadas reacções de hipersensibilidade tais como rash, pruridodo couro cabeludo, febre, broncospasmo e eosinofilia.
A administração de dobutamina pode provocar uma ligeira diminuição das concentraçõesséricas de potássio, contudo raramente provoca uma hipocaliemia manifesta. Comoconsequência, deve-se considerar-se a necessidade de monitorização das concentraçõesde potássio sérico. A Dobutamina Genthon 12,5 mg/ml contém sulfitos, que podemprovocar reacções tipo-alérgicas nos indivíduos sensíveis. Estas reacções podem variardesde crise ligeira de asma até ao choque anafiláctico, por vezes fatal.
Recomenda-se precaução em doentes com antecedentes de arritmia ventricular grave.

Utilização em Geriatria:
A administração de dobutamina neste grupo de doentes não suscita quaisquer problemasespecíficos.

Utilização em Pediatria:
A administração de dobutamina a crianças com idade inferior a 1 ano requer precauçõessuplementares. Comparativamente aos adultos, as reacções observadas em criançaspodem ser qualitativa e quantitativamente diferentes.

4.5Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

As interacções podem manifestar-se nos seguintes casos:

Agentes b-bloqueadores, especialmente cardioselectivos. O efeito inotrópico positivo dadobutamina por estimulação dos b-receptores cardíacos pode ser diminuido por estesagentes. Contudo, a dobutamina pode abolir o b-bloqueio em dosagens que não causamquaisquer efeitos indesejáveis graves. Especialmente em doentes tratados com agentes b-
bloqueadores, observa-se por vezes uma ligeira vasoconstrição.
Anestésicos de inalação podem aumentar o potencial para arritmias ventriculares, devidoa um aumento da sensibilidade do miocárdio.
A associação de dobutamina ao nitroprussiato ou a dobutamina com nitroglicerina, poderesultar no aumento do débito cardíaco e numa diminuição da pressão arterial pulmonar,que é comparativamente superior à utilização do fármaco separadamente.
O antioxidante metabissulfito de sódio presente no concentrado para perfusão pode reagircom a tiamina que pode conduzir a uma diminuição da tiamina.

4.6Gravidez e aleitamento

Os dados disponíveis são insuficientes para determinar os efeitos nefastos da dobutaminaquando utilizada durante a gravidez. Até à data, os estudos em animais não indicamquaisquer efeitos nefastos. Se for necessário o tratamento durante o aleitamento, aamamentação deve interromper-se durante o período de exposição ao fármaco.

4.7Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos deste medicamento sobre a capacidade conduzir eutilizar máquinas. Contudo, não é provável qualquer efeito.

4.8Efeitos indesejáveis

Efeitos indesejáveis que podem ocorrer após a administração de Dobutamina Genthon
12,5 mg/ml são:

Na maioria dos doentes é observado um aumento da pressão arterial sistólica (10-20mmHg).
Nos doentes com hipertensão pode ocorrer, por vezes, um aumento significativo dapressão arterial (50 mmHg). É possível registar-se um aumento da frequência cardíaca (5-
10 pulsações por minuto). Este aumento é inferior ao observado por uma doseequivalente de isoprenalina.
Em alguns doentes, foi observada uma nítida taquicardia ou uma actividade ventricularectópica. Nos doentes com fibrilhação auricular já existente a dobutamina pode aumentara frequência ventricular. Geralmente estes efeitos indesejáveis desaparecem com umainterrupção temporária da perfusão ou se a dose for reduzida.
Em 1 – 3% dos casos foram registados as seguintes reacções adversas: náuseas, cefaleias,dor anginosa, dor torácica não específica, palpitações ou dispneia.
Tal como com todas as outras catecolaminas com actividade b2-adrenérgica aadministração de dobutamina pode conduzir a uma ligeira diminuição das concentraçõesséricas de potássio, embora possa raramente provocar uma hipocaliemia significativa.

Os efeitos indesejáveis dose-dependentes são raramente observados com uma doseinferior a 10 µg/Kg/min; em alguns casos, foram administradas doses de 40 µg/Kg/diasem quaisquer efeitos indesejáveis significativos.

Nos doentes com asma brônquica que sejam sensíveis aos sulfitos, podem ser observadosos seguintes efeitos indesejáveis: vómitos, diarreia, broncoconstrição, perturbações deconsciência e choque.

4.9Sobredosagem

Os sintomas seguintes podem sugerir uma eventual sobredosagem de dobutamina:

– Hipertensão grave.
– Taquicardia

Tratamento da sobredosagem:

Tendo em conta a curta duração de acção da dobutamina, é suficiente suspendertemporariamente a administração de dobutamina ou reduzir a taxa de perfusão até que oestado do doente fique estabilizado.

5.PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico:3.3 – Aparelho Cardiovascular. Simpaticomiméticos.
Código ATC: C01CA07

O cloridrato de dobutamina é uma catecolamina sintética inotrópica positiva deactividade directa.
Contrariamente à dopamina, a dobutamina não estimula o coração indirectamente peloaumento da libertação endógena de norepinefrina, mas actua, em vez disso, quaseexclusivamente nos receptores b1-adrenérgicos cardíacos, com pequeno efeito sobre osb2 e a -receptores. A acção principal consiste num aumento da força de contractilidade domiocárdio (músculo cardíaco).

Nos doentes com uma função cardíaca diminuída, o débito cardíaco melhorará,essencialmente devido a um aumento do débito cardíaco sistólico, o qual pode aumentar apressão arterial. A resistência vascular periférica diminui com cada dose de dobutamina.
Ao serem administradas doses mais elevadas de dobutamina, pode-se ocorrer umaumento da frequência cardíaca. A dobutamina terá apenas uma ligeira influência sobre apressão arterial média nos doentes com uma pressão normal; contudo, nos doentes comhipotensão provocada por um baixo débito sistólico, a pressão arterial média aumentasobretudo devido a um aumento do débito cardíaco sistólico.

A dobutamina reduz a pressão elevada de enchimento ventricular (diminuição da pré-
carga) e melhora a condução no nódulo auriculo-ventricular (AV). O fluxo sanguíneocoronário e o consumo de oxigénio do miocárdio são normalmente aumentados devido aoaumento da contractilidade do miocárdio e por estimulação dos receptores b2-adrenérgicos da circulação coronária.

5.2Propriedades farmacocinéticas

A acção da dobutamina tem início 1 a 2 minutos após a administração, contudo, porvezes podem serem necessários 10 minutos para obter a acção máxima. A semi-vidaplasmática é de 2 minutos. A inactivação hepática da dobutamina ocorre principalmentepela formação de conjugados de dobutamina e 3-O-metil dobutamina. Os metabolitos sãoprincipalmente eliminados por via urinária. Uma pequena fracção é excretada pelas fezes.

5.3Dados de segurança pré-clínica

A Dobutamina não produz efeitos teratogénicos nem afecta a fertilidade em estudosefectuados em ratos e coelhos. Não existem estudos no homem em relação àadministração durante a gravidez e aleitamento.

6.INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1Lista de excipientes

Metabissulfito de sódio
Ácido clorídrico ou hidróxido de sódio para acerto de pH
Água para preparações injectáveis.
O concentrado para perfusão é protegido por uma atmosfera de azoto.

6.2Incompatibilidades

A dobutamina é incompatível com solução de bicarbonato de sódio a 5 % ou outrassoluções alcalinas reactivas (fosfato de potássio, furosemida ou fenitoína de sódio).

O cloridrato de dobutamina não deve ser misturado com solventes que contenham etanole bissulfito de sódio. Não é recomendada a mistura ou a administração simultânea dadobutamina pela mesma via intravenosa com heparina, succinato sódico dehidrocortisona, cefazolina de sódio, naftato de cefamandol, cefalotina de sódio,penicilina, etacrinato de sódio, aciclovir, aminofilina, bretilio, cloreto de cálcio,gluconato de cálcio, diazepam, digoxina, insulina, cloreto de potássio, sulfato demagnésio, estreptoquinase ou verapamil.

6.3 Prazo de validade

O prazo de validade é de 5 anos. A data de expiração (“VAL.”) está impressa naembalagem exterior e na ampola.
Se a diluição é efectuada sob condições assépticas rigorosas, a solução diluída é estáveldurante 24 horas a 15 – 25 °C (temperatura ambiente ).
Se a diluição não for efectuada sob condições assépticas rigorosas, a solução diluída éestável durante 24 horas no frigorífico (2-8°C), ou durante 12 horas a temperaturaambiente (15 – 25 °C), sob ponto de vista microbiológico.
Devido a uma ligeira oxidação, poder-se-á observar uma coloração rosa da solução, quese vai intensificando progressivamente sem, no entanto, influenciar ou afectar aactividade da solução para perfusão.

6.4Precauções especiais de conservação

Antes da diluição, as ampolas devem ser conservadas na embalagem de origem, a umatemperatura entre 2 – 30 °C. Não congelar.

6.5Natureza e conteúdo do recipiente

1, 5 ou 10 ampolas com 20 ml de concentrado para solução para perfusão, contendo oequivalente a 250 mg de dobutamina e 0,2 mg/ml de metabissulfito de sódio.

6.6Precauções especiais de eliminação e manuseamento

O concentrado de dobutamina para solução para perfusão deve ser diluído, imediatamenteantes da sua administração, numa solução de glucose a 5 %, ou numa solução de cloretode sódio a 0,9%, ou numa solução de lactato de Ringer ou numa solução de lactato desódio, até se obter a concentração pretendida (ver tabela).
Eliminar qualquer solução para perfusão não utilizada.

Os produtos não utilizados ou os resíduos devem ser eliminados de acordo com asexigências locais

7.TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO.

Genthon BV
Microweg 22
6545 CM Nijmegen
Holanda
Telf.: + 31 24-388 63 00
Fax: + 31 24-373 39 30

8.NÚMEROS DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Nº. de registo: 2606085 – 1 unidade de 20 ml de concentrado para solução para perfusão,
12,5 mg/ml, ampola.
Nº. de registo: 2606184 – 5 unidades de 20 ml de concentrado para solução para perfusão,
12,5 mg/ml, ampola.
Nº. de registo: 2606283 – 10 unidades de 20 ml de concentrado para solução paraperfusão, 12,5 mg/ml, ampola.

9.DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 31 Dezembro 1997
Data da última renovação: 07 Fevereiro 2008


Adicionar Comentário