Benestan Alfuzosina caracteristicas medicamento

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1 – NOME DO MEDICAMENTO

Benestan 2,5 mg comprimidos revestidos

2 – COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Substância activa:
Cloridrato de Alfuzosina ………..2,5 mg

Excipiente(s):
Lactose mono-hidratada – 61 mg

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3 – FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido.

4 – INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 ? Indicações terapêuticas

Tratamento das manifestações funcionais da hipertrofia benigna da próstata.

4.2 ? Posologia e modo de administração

– Adulto:

A posologia recomendada é de 1 comprimido de 2,5 mg 3 vezes ao dia (7,5 mg por dia).

– Idoso:

Como medida de precaução, no indivíduo idoso (com mais de 65 anos) ou no doentehipertenso em tratamento, a dose inicial deverá ser de 1 comprimido de manhã e 1comprimido à noite.

– Nota:

Estas doses podem ser aumentadas até ao máximo de 4 comprimidos de alfuzosina 2,5mg por dia (10 mg) em função da resposta clínica e segurança.

– Insuficiência renal:

Nos doentes com insuficiência renal recomenda-se, como medida de precaução,começar com uma dose de 1 comprimido duas vezes por dia e ajustar em função daresposta clínica.

– Insuficiência hepática:

Nos doentes com insuficiência hepática recomenda-se começar o tratamento com 1comprimido por dia, aumentando-se para 1 comprimido duas vezes por dia em funçãoda resposta clínica.

4.3 – Contra-indicações

– Hipersensibilidade à alfuzosina ou a qualquer um dos excipientes.
– Hipotensão ortostática.
– Associação com outros alfa-1-bloqueantes.
– Insuficiência hepática grave.

4.4 – Advertências e precauções especiais de utilização

Advertências:

Tal como com todos os alfa-1-bloqueantes, em alguns indivíduos, particularmente nosdoentes sob tratamento com medicamentos anti-hipertensores, pode ocorrer hipotensãopostural com ou sem sintomas (vertigens, fadiga, sudação) poucas horas após aadministração. Nestes casos, deverá deitar-se o doente até o completo desaparecimentodos sintomas. Estes efeitos são normalmente transitórios, aparecem no início dotratamento e, geralmente, não impedem a continuação do tratamento. O doente deveráser avisado da possibilidade de ocorrência destes efeitos.

Deverá prestar-se especial atenção à administração de alfuzosina em doentes comhipotensão ortostática sintomática.

Precauções especiais de utilização:

Deve ter-se cuidado aquando da administração de alfuzosina a doentes que tenhamapresentado uma resposta hipotensiva pronunciada a outro alfa-1-bloqueante.

Nos doentes coronários o tratamento específico da insuficiência coronária deve sercontinuado. Em caso de reaparecimento ou agravamento do angor, o tratamento comalfuzosina deverá ser interrompido.

Foi observada Síndrome de Íris flácida Intra-operatória (“Intraoperative Floppy Iris
Syndrome” – IFIS, uma variante da síndrome da pupila pequena) durante a cirurgia decataratas, em alguns doentes em tratamento ou recentemente tratados com tansulosina.
Casos isolados foram também notificados com outros bloqueadores alfa 1 e apossibilidade de um efeito de classe não pode ser excluída. Dado que, a IFIS podeconduzir a um aumento das complicações dos procedimentos durante a cirurgia, osmédicos que operem cataratas e as equipas de oftalmologia, devem ser informados se osdoentes programados para operação às cataratas estão a ser ou foram tratados combloqueadores alfa 1.

Este medicamento contém lactose mono-hidratada. Doentes com problemas hereditáriosraros de intolerância à galactose, deficiência de lactase de Lapp ou malabsorção deglucose-galactose não devem tomar este medicamento.

4.5 – Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

Associações contra-indicadas:

– Alfa-1-bloqueantes (Ver Contra-indicações).

Associações a ter em conta:

Medicamentos anti-hipertensores (Ver Advertências e Precauções Especiais de
Utilização).
– Anestésicos gerais: a anestesia geral de um doente tratado com alfuzosina podeprovocar instabilidade tensional.
– Nitratos: aumento do risco de hipotensão.
– Inibidores potentes do CYP3A4, tais como cetoconazol, itraconazole e ritonavir, dadoque os níveis de alfuzosina no sangue estão aumentados.

4.6 – Gravidez e aleitamento

Não aplicável devido às indicações terapêuticas do medicamento.

4.7 – Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não há dados disponíveis sobre os efeitos na capacidade de condução.

Podem ocorrer reacções adversas tais como tonturas, vertigens e astenia, principalmenteno início do tratamento. Esta possibilidade deve ser tida em consideração quando dacondução de veículos ou da utilização de máquinas.

4.8 – Efeitos indesejáveis

É utilizada a convenção MEDRA sobre frequência:
Muito frequentes (>1/10)
Frequentes (>1/100, <1/10)
Pouco frequentes (>1/1000, <1/100)
Raros (>1/10 000, <1/1000)
Muito raros (<1/10 000), incluindo comunicações isoladas

Doenças do sistema nervoso

Frequentes: desmaio/tonturas, vertigens, mal-estar, cefaleias
Pouco frequentes: sonolência

Afecções oculares

Pouco frequentes: visão alterada

Cardiopatias e vasculopatias

Frequentes: hipotensão (postural)
Pouco frequentes: taquicardia, palpitações, síncope

Afecções oculares:

Pouco frequentes: visão anomal
Desconhecidas: Síndrome de Íris flácida Intra-operatória (“Intraoperative Floppy Iris
Syndrome” – IFIS) (ver Advertências e Precauções Especiais de Utilização)

Doenças respiratórias

Pouco frequentes: rinite

Doenças gastrointestinais

Frequentes: náuseas, dor abdominal, diarreia, boca seca

Afecções hepatobiliares:

Desconhecidas: lesões hepatocelulares, doença hepática colestática

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos

Pouco frequentes: erupção cutânea, prurido
Muitos raros: urticária, angioedema

Perturbações gerais

Frequentes: astenia
Pouco frequentes: rubores, edema, dor torácica.

4.9 – Sobredosagem

Em caso de sobredosagem, o doente deverá ser hospitalizado, mantido em posiçãosupino, instituindo-se um tratamento clássico para a hipotensão.

Devido à sua elevada ligação às proteínas, a alfuzosina não é facilmente dializável.

5 – PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 ? Propriedades farmacodinâmicas

Grupo Farmacoterapêutico: ? 7.4.2.1 ? Aparelho geniturinário. Outros medicamentosusados nas disfunções geniturinárias. Medicamentos usados nas perturbações damicção. Medicamentos usados na retenção urinária

Código ATC: G04C A01.

A alfuzosina é um derivado da quinazolina, activo por via oral.

É um antagonista periférico selectivo dos receptores alfa-1-adrenérgicos pós-sinápticos.

Os estudos farmacológicos realizados “in vitro” confirmaram a selectivi-dade daalfuzosina para os receptores alfa-1-adrenérgicos situados ao nível da próstata, colo dabexiga e uretra prostática.

As manifestações clínicas da Hipertrofia Benigna da Próstata estão associadas com aobstrução infra-vesical e com mecanismos incluindo quer factores anatómicos
(estáticos) quer funcionais (dinâmicos). A componente funcional da obstruçãodesencadeia-se a partir da tensão do músculo liso prostático, o qual é mediado pelosreceptores alfa-1-adrenérgicos: a activação dos receptores alfa-1-adrenérgicos estimulaa contracção do músculo liso aumentando, assim, o tonus da próstata, da cápsulaprostática, da uretra prostática e do colo da bexiga e, conse-quentemente, aumenta a

resistência ao fluxo da bexiga, levando à obstrução do fluxo e, possivelmente, ainstabilidade secundária da bexiga.

Os alfa-bloqueantes diminuem a obstrução infra-vesical através de uma acção directa anível do músculo liso prostático.

“In vivo”, os estudos nos animais demonstraram que a alfuzosina diminui a pressãouretral e, portanto, a resistência do fluxo urinário durante a micção. Além disso, aalfuzosina inibe mais rapidamente a resposta hipertónica da uretra do que a do músculovascular e apresenta uma uroselectividade funcional nos ratos normotensos conscientespor diminuição da pressão uretral em doses que não influenciam a pressão arterial.

No homem, a alfuzosina melhora os parâmetros do fluxo urinário por diminuição dotonus uretral e da resistência externa da bexiga, e facilita o esvaziamento da bexiga.

Em estudos controlados por placebo, em doentes com HBP, a alfuzosina:

– aumenta significativamente o pico de fluxo máximo (Qmax) nos doentes com Qmax £
15 ml/s, na média de 30%. Esta melhoria observa-se a partir da primeira dose,

– reduz significativamente a pressão do detrusor e aumenta o volume originando umaforte vontade de urinar,
– diminui significativamente o volume urinário residual.

Estes efeitos urodinâmicos favoráveis levam a uma melhoria dos sin-tomas do tractourinário inferior, isto é, sintomas de distensão (irritativo) bem como sintomas deesvaziamento (obstructivo), o que foi clara-mente demonstrado.

5.2 ? Propriedades farmacocinéticas

A alfuzosina é bem absorvida, com uma biodisponibilidade média de 64%; asconcentrações plasmáticas máximas obtêm-se geralmente no prazo de I.5 horas (valoresvariando entre 0.5 e 6 horas). No intervalo das doses terapêuticas a cinética é linear. Operfil farmacocinético é caracterizado por grandes flutuações inter-individuais nasconcentrações plasmáticas. Nos voluntários sãos, a eliminação da alfuzosina écaracterizada por uma semi-vida de cerca de 4.8 horas.

A taxa de ligação da alfuzosina às proteínas plasmáticas é de cerca de 90%.

A alfuzosina é francamente metabolizada a nível hepático, com apenas 11% docomposto original a ser excretado, sob a forma inalterada, na urina. A maioria dosmetabolitos (que são inactivos) é excretada nas fezes (75 a 91%). Este perfilfarmacocinético não é modificado pela ingestão simultânea de alimentos.

Nos indivíduos com mais de 75 anos, a absorção é mais rápida e as concentraçõesmáximas são mais elevadas. A biodisponibilidade pode ser aumentada e, em certosdoentes, observa-se uma redução do volume de distribuição. A semi-vida de eliminaçãopermanece inalterada.

Nos insuficientes renais, necessitando ou não de diálise, o volume de distribuição e a
“clearance” da alfuzosina aumentam devido a uma elevação da fracção livre. Ainsuficiência renal crónica, mesmo grave (“clearance” da creatinina entre 15 e 40ml/min), não é agravada pela alfuzosina.

Nos doentes com insuficiência hepática grave, a semi-vida de elimi-nação estáaumentada. Observa-se um aumento duplo na Cmax e um aumento triplo na AUC. Abiodisponibilidade, comparativamente com a dos voluntários sãos, está aumentada.

A insuficiência cardíaca crónica não modifica o perfil farmacocinético da alfuzosina.

Metabolismo:
Interacções metabólicas: CYP3A4 é a principal isoforma da enzima hepática envolvidano metabolismo da alfuzosina. O cetoconazole é um forte inibidor do CYP3A4. Durante
7 dias foi administrada uma dose diária de 200 mg de cetoconazole que resultou numaumento da Cmax (2.11 vezes) e da AUC (2.46 vezes) de alfuzosina 10 mg OD após arefeição. Outros parâmetros tais como a tmax e o t1/2 não sofreram alteração.
A administração da dose repetida em 8 dias de 400 mg diários de cetoconazoleaumentaram a Cmax de alfuzosina em 2.3 vezes, a AUC em 3.2 vezes e a AUC em 3.2e 3.0, respectivamente (ver Interacções medicamentosas e outras).

5.3 ? Dados de segurança pré-clínica

Os dados pré-clínicos não revelam riscos especiais para o ser humano, segundo estudosconvencionais de farmacologia de segurança, toxicidade de dose repetida,genotoxicidade, potencial carcinogénico e toxicidade reprodutiva.

6 – INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 ? Lista dos excipientes

Lactose mono-hidratada, celulose microcristalina 101, povidona, carboximetilamido desódio, estearato de magnésio, hidroxipropilmetilcelulose, polietilenoglicol 400, dióxidode titânio (E171).

6.2 – Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3 ? Prazo de validade

3 anos.

6.4 ? Precauções especiais de conservação

Não conservar acima de 25ºC.

6.5 ? Natureza e conteúdo do recipiente

Blister de PVC/Alu
Embalagens de 20 e 60 comprimidos revestidos. É possível que não sejamcomercializadas todas as apresentações.

6.6 ? Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Não existem requisitos especiais.

7 – TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Sanofi-Aventis – Produtos Farmacêuticos, S.A.
Empreendimento Lagoas Park – Edifício 7 – 3º Piso
2740-244 Porto Salvo

8 ? NÚMERO (S) DE AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

N.º de registo: 2135697 – 20 comprimidos revestidos, 2,5 mg, blister de PVC/Alu
N.º de registo: 2135796 – 60 comprimidos revestidos, 2,5 mg, blister de PVC/Alu

9 – DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO
DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 30 de Julho de 1992
Data da última renovação: 30 de Julho de 2002

10 – DATA DA REVISÃO DO TEXTO


Adicionar Comentário