Articulan Etodolac caracteristicas do medicamento

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO

Articulan 200 mg cápsulas

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada cápsula contém 200 mg de etodolac.

Excipiente(s):
Lactose mono-hidratada ? 96,10 mg

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Cápsulas.
Cápsula de corpo branco e cabeça azul.

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Articulan está indicado no tratamento da dor e inflamação das seguintes patologias:doença articulardegenerativa (osteoartrose), artrite reumatóide, reumatismo extra-articular, espondiliteanquilosante, tendinites, fibrosites, e gota aguda.E ainda no tratamento das dores pós-traumáticas epós-operatórias.

4.2 Posologia e modo de administração

Dose geral para adultos

A posologia diária de Articulan é de 400 mg a 800 mg, repartida por duas tomas.
Na artrite reumatóide, espondilite anquilosante, dor pós-operatória e pós-traumática, recomendam-
se 400 mg a 600 mg em duas tomas.
Na crise aguda de gota a posologia inicial recomendada é de 800 mg por dia repartida por duastomas, devendo reduzir-se a dose após a melhoria das queixas.

Dose máxima geral para adultos

– Indivíduos com menos de 60 kg – 20 mg/kg de peso/dia.
– Indivíduos com 60 kg ou mais – 1200 mg/dia.

A administração de doses superiores a 1200 mg/dia aumenta o risco de efeitos indesejáveis do forogastrointestinal.

Dose geral para crianças

Não existe experiência em crianças (ver secção 4.4 Advertências e precauções especiais deutilização)

Dose geral para idosos

Não são necessários ajustes de dose. No entanto utilizações mais prolongadas requerem estreitavigilância médica.

Modo de Administração

As cápsulas devem ser deglutidas com o auxílio de um copo de água. Tomar com alimentos.

Os efeitos indesejáveis podem ser minimizados utilizando a menor dose eficaz durante o menorperíodo de tempo necessário para controlar os sintomas (ver secção 4.4.).

4.3 Contra-indicações

Hipersensibilidade à substância activa (etodolac) ou a qualquer um dos excipientes.

História de hemorragia gastrointestinal ou perfuração, relacionada com terapêutica anterior com
AINE.

Úlcera péptica/hemorragia activa ou história de úlcera péptica/hemorragia recorrente (dois ou maisepisódios distintos de ulceração ou hemorragia comprovada).

Devido à possibilidade de reacção cruzada, o etodolac não deve ser administrado a doentes comhistória de asma, a doentes com pólipos nasais associados com broncospasmo induzido pelaaspirina, com broncoconstrição, anafilaxia ou outras reacções alérgicas graves induzidas pelaaspirina ou outros anti-inflamatórios não esteróides (AINE).

Insuficiência cardíaca grave.

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Deve-se ter em consideração o possível risco-beneficio quando exista alguma das seguintessituações:

– História de sensibilidade cruzada com AINE, reacções alérgicas moderadas, tais como rinitealérgica, urticária ou erupções cutâneas.

– Asma (pode ser exacerbada).

– Estados que predisponham toxicidade gastrointestinal, tais como úlcera péptica, colite ulcerosa oudoenças do tracto gastrointestinal.

– Estados que predisponham retenção de fluídos, tais como função cardíaca comprometida ouhipertensão.

– Insuficiência hepática ou renal.

A administração concomitante de Articulan com outros AINE, incluindo inibidores selectivos daciclooxigenase-2, deve ser evitada.

Os efeitos indesejáveis podem ser minimizados utilizando a menor dose eficaz durante o menorperíodo de tempo necessário para controlar os sintomas (ver secções 4.2 e Informação sobre osriscos GI e cardiovasculares em seguida mencionada).

Hemorragia, ulceração e perfuração gastrointestinal: têm sido notificados com todos os AINE casosde hemorragia, ulceração e perfuração gastrointestinal potencialmente fatais, em várias fases dotratamento, associados ou não a sintomas de alerta de eventos gastrointestinais graves.

O risco de hemorragia, ulceração ou perfuração é maior com doses mais elevadas de AINE, emdoentes com história de úlcera péptica, especialmente se associada a hemorragia ou perfuração (versecção 4.3) e em doentes idosos. Nestas situações os doentes devem ser instruídos no sentido deinformar o seu médico assistente sobre a ocorrência de sintomas abdominais e de hemorragiadigestiva, sobretudo nas fases iniciais do tratamento.
Nestes doentes o tratamento deve ser iniciado com a menor dose eficaz. A co-administração deagentes protectores (ex.: misoprostol ou inibidores da bomba de protões) deverá ser consideradanestes doentes, assim como aqueles que necessitem de tomar simultaneamente ácido acetilsalicílicoem doses baixas, ou outros medicamentos susceptíveis de aumentar o risco de úlcera ouhemorragia, tais como corticosteróides, anticoagulantes (como a varfarina), inibidores selectivos darecaptação da serotonina ou anti-agregantes plaquetários tais como o ácido acetilsalicílico (versecção 4.5).

Em caso de hemorragia gastrointestinal ou ulceração em doentes a tomar Articulan o tratamentodeve ser interrompido.

Os AINE devem ser administrados com precaução em doentes com história de doença inflamatóriado intestino (colite ulcerosa, doença de Crohn), na medida em que estas situações podem serexacerbadas (ver secção 4.8).

Têm sido muito raramente notificadas reacções cutâneas graves, algumas das quais fatais, incluindodermatite esfoliativa, síndroma de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica, associadas àadministração de AINE (ver secção 4.8). Aparentemente o risco de ocorrência destas reacções émaior no início do tratamento, sendo que na maioria dos casos estas reacções se manifestamdurante o primeiro mês de tratamento. O Articulan deve ser interrompido aos primeiros sinais derash, lesões mucosas, ou manifestações de hipersensibilidade.

Crianças
A segurança e a eficácia nas crianças ainda não foram estabelecidas pelo que o etodolac não érecomendado nas crianças.

Idosos
Os idosos apresentam uma maior frequência de reacções adversas com AINE, especialmente dehemorragias gastrointestinais e de perfurações que podem ser fatais (ver secção 4.2.).

Efeitos cardiovasculares e cerebrovasculares

Têm sido notificados casos de retenção de líquidos e edema associados ao tratamento com AINE,pelo que os doentes com história de hipertensão arterial e/ ou insuficiência cardíaca congestivaligeira a moderada deverão ser adequadamente monitorizados e aconselhados.

Os dados dos ensaios clínicos e epidemiológicos sugerem que a administração de alguns AINE
(particularmente em doses elevadas e em tratamento de longa duração) poderá estar associada a umpequeno aumento do risco de eventos trombóticos arteriais (por exemplo enfarte do miocárdio ou
AVC). Não existem dados suficientes para eliminar o risco de ocorrência destes efeitos aquando dautilização de etodolac.

Os doentes com hipertensão arterial não controlada, insuficiência cardíaca congestiva, doençaisquémica cardíaca estabelecida, doença arterial periférica e/ou doença cerebrovascular apenasdevem ser tratados com etodolac após cuidadosa avaliação. As mesmas precauções deverão sertomadas antes de iniciar o tratamento de longa duração de doentes com factores de riscocardiovascular (ex.: hipertensão arterial, hiperlipidémia, diabetes mellitus e hábitos tabágicos).

Este medicamento contém lactose mono-hidratada. Doentes com problemas hereditários raros deintolerância à galactose, deficiência de lactase ou má absorção de glucose-galactose não devemtomar este medicamento.

4.5 Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

A administração simultânea do etodolac com os fármacos seguintes pode provocar interacções:

– Outros AINE, incluindo os salicilatos em doses elevadas – Aumento do risco de úlcera e dehemorragia digestiva.

– Anticoagulantes orais e heparina injectável – O risco de hemorragia está aumentado por inibiçãoda função plaquetária e agressão da mucosa gastroduodenal. Os AINE podem aumentar os efeitosdos anti-coagulantes, tais como a varfarina (ver secção 4.4.)

– Antidiabéticos orais – Aumento do efeito hipoglicemiante por deslocação dos antidiabéticos oraisdas proteínas plasmáticas.

– Diuréticos, Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECA) e Antagonistas da
Angiotensina II (AAII) – Os anti-inflamatórios não esteróides (AINE) podem diminuir a eficáciados diuréticos assim como de outros medicamentos anti-hipertensores. Nalguns doentes comfunção renal diminuída (ex.: doentes desidratados ou idosos com comprometimento da funçãorenal) a co-administração de um IECA ou AAII e agentes inibidores da cicloxigenase pode tercomo consequência a progressão da deterioração da função renal, incluindo a possibilidade deinsuficiência renal aguda, que é normalmente reversível. A ocorrência destas interacções deverá sertida em consideração em doentes a tomar etodolac em associação com IECA ou AAII.
Consequentemente, esta associação medicamentosa deverá ser administrada com precaução,sobretudo em doentes idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deverá seranalisada a necessidade de monitorizar a função renal após o inicio da terapêutica concomitante, eperiodicamente desde então.

– Corticosteróides ? Aumento do risco de ulceração ou hemorragia gastrointestinal (ver secção
4.4.).

– Lítio – Aumento da concentração do lítio no plasma, podendo atingir valores tóxicos, pordiminuição da sua excreção renal.

– Metotrexato (por extrapolação a partir de outros AINE) – Aumento da toxicidade do fármaco nosangue por diminuição da sua excreção renal. Recomenda-se não administrar o etodolac entre 12 a
24 horas a seguir a uma infusão de uma dose elevada de metotrexato.

— Ciclosporina ou outros medicamentos nefrotóxicos – A inibição da actividade dasprostaglandinas renais pelos AINE pode aumentar a concentração plasmática da ciclosporina e/ou orisco da nefrotoxicidade induzida por estes fármacos.

– Probenecide – Embora o efeito do probenecide sobre a farmacocinética do etodolac não sejaconhecido deve-se ter especial atenção quando se usam estes dois medicamentos em conjunto, vistoque o probenecide diminui a depuração renal de outros AINE.

– Agentes anti-agregantes plaquetários e inibidores selectivos da recaptação da serotonina ?aumento do risco de hemorragia gastrointestinal (ver secção 4.4.).

A administração do etodolac pode dar falsos resultados positivos na determinação da bilirrubina naurina devido aos metabolitos fenólicos do etodolac.

4.6 Gravidez e aleitamento

O etodolac não deve ser usado na gravidez, uma vez que não há estudos controlados realizados emmulheres grávidas. No entanto, em estudos teratogénicos animais, foram descritos para osinibidores da síntese das prostaglandinas casos de distocia, prolongamento da gestação eencerramento prematuro do canal arterial.

A segurança do uso do etodolac durante o aleitamento ainda não foi estabelecida, pelo que o seuuso deve ser evitado neste período.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Articulan pode provocar, principalmente no início do tratamento e dependendo da susceptibilidadeindividual, sonolência, vertigens, alterações visuais ou fadiga, pelo que se deve evitar conduzir eutilizar máquinas.

4.8 Efeitos indesejáveis

Efeitos gastrointestinais
Os eventos adversos mais frequentemente observados são de natureza gastrointestinal. Podemocorrer, em particular nos idosos, úlceras pépticas, perfuração ou hemorragia gastrointestinalpotencialmente fatais (ver secção 4.4.). Náuseas, dispepsia, vómitos, hematemeses, flatulência, dorabdominal, diarreia, obstipação, melenas, estomatite aftosa, exarcebação de colite ou doença de
Crohn (ver secção 4.4) têm sido notificados na sequência da administração destes medicamentos.
Menos frequentemente têm vindo a ser observados casos de gastrite. Ocorre com frequência azia eraramente perda de apetite e boca irritada, seca e ulcerada.

Efeitos hepatobiliares

Raros: hepatite ou icterícia colestática e hepatite ou icterícia tóxica.

Efeitos na pele e tecidos subcutâneos
Frequentes: prurido e exantema cutâneo.
Raros: urticária e erupções cutâneas.
Muito raros: Reacções bolhosas incluindo síndroma Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica.

Efeitos no sistema nervoso
Frequentes: cefaleias, depressão, tonturas, nervosismo, irritabilidade e fadiga.
Raros: síncope, sonolência e insónias.

Efeitos vasculares
Têm sido notificados casos de edema, hipertensão e insuficiência cardíaca durante o tratamentocom AINE.
Os dados dos ensaios clínicos e epidemiológicos sugerem que a administração de alguns AINE
(particularmente em doses elevadas e em tratamento de longa duração), poderá estar associada aum pequeno aumento do risco de eventos trombóticos arteriais (por exemplo enfarte do miocárdioou AVC) (ver secção 4.4.).

Efeitos renais e urinários
Frequentes: disúria e aumento da frequência urinária.
Raros: retenção de fluídos e edema.

Efeitos no sangue e sistema linfático
Raros: anemia, equimoses e trombocitopénia.

Efeitos oculares
Raros: anomalias visuais.

Efeitos no ouvido e labirinto
Frequentes: zumbidos.

Reacções de hipersensibilidade
Frequentes: febre.
Raros: reacções alérgicas que provoquem broncoespasmo são raras, angioedema e vasculite.

4.9 Sobredosagem

Em caso de sobredosagem com Articulan está indicada a lavagem gástrica, a administração decarvão activado e , se necessário, tratamento sintomático e de suporte.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: 9.1.5 Aparelho locomotor. Anti-inflamatórios não esteróides. Derivadosdo indol e do indeno.
Código ATC: M01A B08.

O etodolac, derivado do ácido indolacético, é um anti-inflamatório não esteróide (AINE), compropriedades anti-inflamatórias, analgésicas e antipiréticas. O seu mecanismo de acção estárelacionado com a inibição da síntese das prostaglandinas. O etodolac inibe a actividade da enzimaciclo-oxigenase, resultando na diminuição da formação de percursores das prostaglandinas etromboxanos a partir do ácido araquidónico. É um anti-inflamatório com selectividade COX-2.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

O etodolac é rápida e extensamente absorvido quando administrado por via oral. A extensão daabsorção não é alterada pela administração concomitante com alimentos e anti-ácidos. No entanto,a administração concomitante com os alimentos diminui a velocidade de absorção.

O etodolac liga-se em grande percentagem às proteínas plasmáticas (> 99%). O fármaco sofrebiotransformação hepática e é extensamente metabolizado. No entanto, não sofre efeito de 1.ªpassagem significativo.

Após uma dose oral única de etodolac 100 mg, 200 mg ou 400 mg, a Cmax foi alcançadaaproximadamente ao fim de 1 hora.

Após a administração oral de 200 mg ou 600 mg de etodolac, a concentração máxima plasmáticade 10 mcg/ml e 46 mcg/ml respectivamente, foi alcançada ao fim de 1,3 horas. No estadoestacionário a concentração máxima plasmática é alcançada ao fim de 1,7 ± 1,3 horas.

O volume de distribuição em indivíduos saudáveis é de cerca de 0,4 l/kg de peso corporal.

O tempo de semi-vida de distribuição no estado estacionário, é de 0,71 ± 0,5 h.

O tempo de semi-vida de eliminação, para uma dose única de 200 mg de etodolac, é entre 6 a 7horas e, no estado estacionário, é entre 3,3 a 11,3 h.

No homem, 72% (60% em 24 horas) da dose administrada de etodolac é eliminado por via renal e
16% pelas fezes.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Etodolac não apresenta potencial carcinogénico, nem mutagénico.

O uso de AINE durante a 2.ª metade da gravidez não é recomendado devido a possíveis efeitosadversos no feto, tais como encerramento prematuro do canal arterial, o que pode levar ahipertensão pulmonar persistente no recém-nascido.

Em estudos em ratos fêmeas observou-se função reprodutora comprometida quando se administroudoses de 3-15 mg/kg.

Em estudos perinatais e pós natais em ratos, com doses diárias de 3 ? 15 mg/kg, o número de mãescom distocia ou gestação prolongada e o número de crias mortas nos grupos de 9 a 15 mg/kg foiacima do normal.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos excipientes

Conteúdo das cápsulas: Lactose mono-hidratada, Amido de milho, Celulose microcristalina,
Povidona, Talco, Sílica coloidal anidra e Estearato de magnésio.
Invólucro das cápsulas: Dióxido de titânio (E171), Gelatina e Indigotina (E132).

6.2 Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3 Prazo de validade

4 anos.

6.4 Precauções especiais de conservação

Conservar a uma temperatura inferior a 25ºC.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Blister de PVC e alumínio.
Embalagens de 10, 30 e 60 cápsulas. É possível que não sejam comercializadas todas asapresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Não existem requisitos especiais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

PENTAFARMA-Sociedade Tecnico-Medicinal, S.A.
Rua Professor Henrique de Barros, Edifício Sagres, 5º A
2685 PRIOR VELHO

Tel. 21 041 41 00
Fax. 21 041 41 06
E-mail: pentafarma@mail.telepac.pt

8. NÚMEROS DE AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

N.º de registo: 9730523 – 10 cápsulas, 200 mg, blister de PVC/Alumínio
N.º de registo : 9730531 – 30 cápsulas, 200 mg, blister de PVC/Alumínio
N.º de registo : 9730515 – 60 cápsulas, 200 mg, blister de PVC/Alumínio

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE
INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização de introdução no mercado: 07 Dezembro 1989
Data da última renovação da autorização de introdução no mercado: 07 Dezembro 2004

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO


Adicionar Comentário