Como rebocar um automóvel

Se for necessário rebocar um veículo imobilizado, tome as precauções neces­sárias para não incorrer em situações perigosas. Se possível, use uma corda própria para rebocar, com ganchos e manilhas para os dois veículos (é conve­niente ter uma corda destas no seu carro). O veículo que reboca deve ter pelo menos o mesmo tamanho, peso e força do que é rebocado.
Um veículo com mudanças automáti­cas pode ficar danificado se for rebo­cado — a caixa de velocidades pode aquecer demais, pois a bomba de lubri­ficação só trabalha se o motor também estiver a trabalhar. Antes de proceder ao reboque, consulte o manual de instru­ções.

Como engatar a corda. O compri­mento máximo recomendado para a corda do reboque é de 5 m. Prenda a corda aos anéis de reboque de cada um dos veículos, caso existam. Se não, fixe–a a uma parle robusta do reforço do chassis ou, caso exista, ao suporte com rótula do carro que reboca.

Não prenda a corda ao pára-choques nem ao mecanismo da alavanca da direcção ou da suspensão.

Certifique-se de que a corda não fica a roçar contra a carroçaria nem vai danificar a placa da matrícula ou o tubo de escape.

Ate um trapo ou fita colorida a meio da corda para que fique bem visível. Não é obrigatório colocar um triângulo de reboque no veículo de trás, mas é mais seguro fazê-lo.

Como conduzir o automóvel que reboca. Combine previamente com o condutor do carro rebocado a sinaliza­ção manual a utilizar. Ligue os faróis, mesmo durante o dia, para avisar os outros condutores.

Avance muito devagar para que a corda fique esticada sem dar esticões e mude as velocidades suavemente. Terá de usar a embraiagem com mais fre­quência do que é habitual e, por causa cio peso acrescido e da baixa veloci­dade, é possível que tenha de se manter em 3-a velocidade. Conduza devagar e com prudência e não ultrapasse a máxima velocidade de reboque permi­tida, que é de 70 km/h.

Faça os sinais com bastante antece­dência e as curvas tão largas quanto possível para não aumentar o roçar e o esforço da corda. Tenha especial cui­dado nas descidas, principalmente se o carro rebocado tiver travões servoassistidos, pois o servomecanismo, coman­dado pelo motor, não estará a funcio­nar.

Como conduzir o carro rebocado.

Ligue a ignição para ler a certeza de que a direcção não fica trancada e que pode usar os sinais. Acenda as luzes se elas funcionarem e a bateria não estiver muito em baixo. Se tiver de percorrer uma grande distância, desligue a bobina do sistema de ignição para que não aqueça demais.

Use o travão tanto quanto necessário para manter a corda razoavelmente esti­cada. Será necessário trabalhar com o travão muito mais do que o habitual — use o travão de mão, se necessário. Se os travões forem servoassistidos, mante­nha o motor a trabalhar em ponto morto, se possível. Se não puder pôr o motor a trabalhar, será necessário exer­cer mais pressão do que a normal quando travar. O mesmo se aplica à condução, se o carro li ver direcção assistida. Sem servomecanismo, a direc­ção pesada, e o volante, difícil de manobrar.


Adicionar Comentário