Como evitar e solucionar imperfeições na pintura

Os defeitos e imperfeições que surgem em superfícies pintadas são frequentemente provocados por erros cometidos durante a aplicação da tinta ou por deficiente preparação do suporte, mais do que pela qualidade da tinta. Eis alguns problemas comuns, suas causas e remédios:

Presença de pequenos grânulos na superfície de tinta

Para eliminar esse defeito, e uma vez seca a tinta, passe com uma lixa de água n.° 400. Aplique nova de mão.
Brilho irregular. Brilho de uma irregularidade desagradável que dá a sensação da existência de remendos na pintura. Para eliminar tal defeito, aplique novamente sub capa e volte a pintar.
Contraste por transparência.

Ocorre quando a camada anterior de tinta ou mesmo o suporte são visíveis através de nova camada. Lixe a superfície e aplique uma ou mais de mãos de tinta, conforme necessário, ou uma de mão prévia de sub capa.

Descolamento

Este defeito surge quando uma nova camada de tinta levanta a anterior. Pode resultar do facto de a última de mão de tinta ter sido aplicada antes de a sub capa ter secado completamente.

Quando a superfície estiver completamente seca, alise-a com uma lixa e aplique outra de mão de sub capa antes da de mão final, deixando-a secar devidamente. Procure, ao repintar, utilizar tinta com a mesma base.
Empolamento. Formação de bolhas à superfície da pintura (que podem rebentar ou não), frequentemente em consequência da aplicação de esmalte sobre superfícies directamente expostas a sol muito forte.
Uma vez seca a tinta, elimine as bolhas passando uma lixa fina e aplique nova de mão de tinta de acabamento.
Orvalhados e escorridos.

Espessuras irregulares de tinta, epie tende a acumular-se em determinadas zonas em prejuízo de outras.
Deixe a tinta secar convenientemente e em seguida elimine o defeito, passando lixa fina e aplicando outra de mão de acabamento.

Pastosidade

Aumento de viscosidade de uma tinta devido a reacções entre os seus constituintes. Ocorre com frequência quando o tempo de armazenagem da tinta é demasiado prolongado.

Nestas circunstâncias, adicione uma pequena percentagem de diluente.
Secagem lenta. E causada por vezes pelo facto de a tinta ter sido aplicada em tempo frio. Nesse caso, basta apenas aguardar que a tinta seque. A secagem lenta, porém, pode também ser originada pela aplicação de tinta sobre cera, gordura ou primário.

Bolhas e crateras

São, geralmente, causadas pela humidade ou a resina retida na madeira, as quais se encontram sob a tinta.
Corte a bolha de tinta com uma faca e limpe cuidadosamente a superfície subjacente. Aplique depois o isolante de nós ou o primário, caso o defeito tenha sido produzido ou não pela resina do nó; emasse e em seguida passe com lixa. Deixe secar bem e depois aplique o primário antes de voltar a pintar.

Descamação

Pode acontecer que a pintura apresente escamas por falta de aderência a base. Entre as causas mais habituais desse defeito, incluem-se: a preparação inadequada do suporte antes da aplicação da tinta, a humidade existente sob a camada da tinta, a eflorescencia e o emprego de uma tinta plástica de má qualidade num ambiente sujeito a vapor de água.

Se a área afectada for muito extensa, deve raspa-la por completo e, antes de aplicar a tinta, prepara-la cuidadosamente. Certifique-se, porém, de que está a utilizar o isolante indicado. Se as superfícies afectadas forem pequenas, pode aplicar o tratamento indicado para reparação de bolhas.

Eflorescencia

Depósito branco que surge nas superfícies de betão, tijolo ou pedra rebocados, causado pelos sais alcalinos que afloram a superfície.
Retire a tinta da zona afectada e deixe secar. Cubra depois toda a superfície com um isolante resistente aos alcalis e pinte novamente.

Estaladuras (tinta estalada)

Esta imperfeição pode resultar da aplicação de uma tinta de tipo inteiramente diferente da anteriormente utilizada. Esta distende-se e contrai-se de forma diferente da tinta aplicada posteriormente, pelo que estala. Se o defeito se estender por uma ampla superfície, deve raspa-la toda e voltar a pintar. Para reparar pequenas superfícies estaladas, esfregue-as com lixa de água, aplicando em seguida uma nova de mão final.

Fendas

É um defeito frequente nas paredes estucadas. Em fendas muito finas, aplique um betume celuloso, e nas mais largas, gesso. No caso de fendas muito grandes, retire todo o material desprendido da fenda e, se necessário, alargue-a ainda mais até obter um rebordo firme. Escove depois todo o material solto com uma trincha velha. Em seguida, prepare uma mistura de gesso e água até obter uma massa bastante consistente, humedeça a fenda e, com o auxílio de uma espátula, comprima bem a massa. Deixe secar e lixe.

Se se iratar cie fendas largas, tape-as em duas ou três fases, espaçando cada aplicação o tempo suficiente para que cada camada seque. Se, após a reparação da parede, pretender pintá-la com tinia plástica, a referida massa de gesso deverá ser preparada com a própria tinta, e não com água. Deste modo, evitará a formação de manchas na parede.

Fissuração (furos e mossas)

Se os furos a reparar forem muito profundos, retire a tinta solta, aplique o primário nas superfícies a descoberto c cm seguida emasse com betume. Lima vez este seco, lixe-o para que fique à face da .superfície circundante. Antes de pintar, aplique o primário.


Adicionar Comentário