Extensões telefónicas, como instalar

Actualmente, os TLP — Telefones de Lisboa e Porto e os CTT — Correios e Telecomunicações de Portugal são as únicas entidades com capacidade legal para instalar extensões telefónicas em casa dos assinantes. Pretende-se. no entanto, avançar no caminho da liberalização da uniformização da rede e sistema telefónicos portugueses com os dos restantes países membros da Comunidade Europeia. É por isso previsível, a curto ou médio prazo, a entrada em vigor de um regulamento que permita aos assinantes, dentro de algumas condições, instalar extensões dos seus telefones sem recurso obrigatório aos serviços técnicos das entidades que detém neste momento o exclusivo legal.

O Regulamento de Instalações Telefónicas de Assinante (RITA) apenas permite que sejam feitas sem autorização dos CTT ou TLP as modificações numa instalação individual de assinante que consistam na alteração do comprimento dos cabos ou alteração do seu percurso.

Mudança de uma extensão telefónica

Para mudar uma extensão já existente, deve proceder-se com um conjunto de cuidados que se equiparam a uma nova instalação, de modo a manter a funcionalidade quer da extensão mudada, quer da restante instalação.

A ligação de um telefone à rede de cabos que se estende pela habitação e que vai, por sua vez, ligar à rede telefónica pública pode ser de dois tipos: fixa, na qual o cordão vindo do telefone se encontra ligado de um modo rígido a um terminal fixo na parede, ou através de tomadas que permitem a utilização do telefone em vários locais distintos.

Se a ligação do telefone que se pretende mudar é do tipo fixo, deve abrir-se o terminal (pertence) com ferramenta adequada, anotando-se os pontos onde os condutores, devidamente protegidos por isolamento plástico, estão ligados. Os condutores podem ser dois ou três. De notar que um dos revestimentos dos condutores tem uma pequena estria no seu exterior que permite uma mais fácil identificação de cada condutor.

Se a instalação é composta por tomadas, a sua ligação pode ter sido efectuada por este tipo de condutores ou, nas novas tomadas de seis terminais, através de um cabo de seis condutores, devidamente identificados pela cor dos seus isolamentos.

Anotados os pontos de ligação de cada condutor aos componentes fixos, decida os pontos de colocação das tomadas de extensão e faça um plano do percurso do fio pelo caminho mais curto. Em geral, o fio telefónico é estendido e preso ao longo das paredes, dos rodapés ou das sancas ou debaixo dos soalhos, mas por razões de segurança deve ser mantida uma distância mínima de 5 cm em relação aos fios da instalação eléctrica.

Para fixar os cabos, utilize braçadeiras e pregos, que pode adquirir em lojas de artigos eléctricos, ou use cola termofusível ou outra adequada.

Quando o fio chegar ao local da primeira extensão, corte-o, deixando cerca de 7,5 cm de fio a mais. Desaparafuse o espelho da tomada de extensão e utilize uma faca ou canivete bem afiados para cortar a ranhura para entrada do fio, marcada no fundo da tampa, se necessário. Proceda à ligação do fio aos terminais apropriados da tomada de extensão de acordo com as anotações que previamente tirou.

Aparafuse a tomada à parede em furos com buchas ou ao rodapé.

Se mudar mais extensões, una-as a partir da primeira extensão, utilizando o processo atrás descrito, como, aliás, deve proceder se entretanto for liberalizada a instalação de mais extensões na instalação individual de assinante.

Se tiver mais que um telefone com a mesma linha de rede (no máximo cinco), ligue-os às tomadas de extensão que achar mais convenientes; se tiver um só telefone, ligue-o à tomada de extensão que, a cada momento, lhe der mais jeito. Em lojas de artigos eléctricos ou especializadas neste tipo de equipamento, encontra uma vasta gama de telefones com fichas. Ao adquirir o seu telefone ou telefones, deve ter o cuidado de se informar se estão devidamente homologados pelos CTT e TLP e certificar-se se o cordão e a ficha são compatíveis com a tomada que tem em casa.


3 comentários

  1. António Manuel Veiga 30 de Novembro de 2011
  2. Evandro Silva Ramos 12 de Março de 2012
  3. evandro 12 de Março de 2012

Adicionar Comentário