Como escolher serras e serrar

O segredo para serrar com êxito con­siste em prender a obra com firmeza e utilizar a serra adequada para cada tipo de trabalho. Poderá utilizar um torno ou grampos para segurar pequenas peças de madeira c cavaletes para peças maiores; contudo, o suporte mais versá­til é o banco de carpinteiro, dobrável c portátil. Este possui um torno a todo o comprimento do topo, o qual manterá bem seguro praticamente tudo, desde uma pequena peça de madeira até uma porta.

Os materiais em placas necessitam de ser fortemente seguros em grande número de pontos enquanto estão a ser serrados. A parte a cortar deverá ser igualmente amparada, de modo a não esgaçar as arestas.

Serras manuais:

Existem dois tipos principais: os serrotes de folha flexível, para cortes sem grande precisão, e os de folha rígida, geralmente com dentes mais pequenos, para cortes mais rigoro­sos.

Como utilizar um serrote manual.

Agarre num serrote com o indicador estendido ao longo do punho e faça os movimentos a partir do ombro (v. gra­vura na caixa).

Visto que os dentes de um serrote estão inclinados no sentido longitudinal da folha e alternadamente dobrados para a direita e a esquerda, no sentido transversal, formam um «canal» sufi­cientemente largo para que a folha des­lize pela madeira sem prender.

Se os dentes não cortarem a madeira, é porque têm necessidade de ser afia­dos —  v.   ferramentas manuais. como afiar. Se o serrote se desviar para o lado, é sinal de que os dentes já não se apresentam devidamente dobrados e devem ser afinados com uma ferra­menta especial para o efeito, chamada travadeira de serra.

Marque sempre a linha de corte na madeira. Serre unicamente do lado da linha da madeira que não vai aproveitar; se serrar ao longo da própria linha, a peça ficará mais pequena do que o pre­tendido. Se estiver a serrar uma placa revestida, tal como aglomerado de madeira, folheado ou laminificado, faça uma incisão nas quatro arestas com uma faca afiada encostada a uma régua de marceneiro. Serre na vertical, pois a parte inferior poderá lascar um pouco.

Serrotes manuais de folha flexível:

Os serrotes manuais flexíveis mais comuns são o serrote de traçar, o ser­rote universal e o serrote de serrador. O serrote de traçar possui os dentes afia­dos num ângulo de cerca de 70° em cada aresta, que assim cortam nas duas direcções, e é utilizado para cortar transversalmente ao veio da madeira. Este serrote tem cerca de 65 cm de comprimento e seis a oito dentes por 2,5 cm. Deve serrar a um ângulo de cerca de 45° relativamente à madeira. O serrote universal é uma versão mais pequena — cerca de 50 cm de compri­mento e 10 dentes por 2,5 cm. Utilize-o para materiais em placa, tais como o contraplacado.

Serrote de serrador:

Possui dentes afiados em ângulo recto relativamente â folha. Tem cerca de 65 cm de compri­mento, com cinco dentes por 2,5 cm. Utilize-o para cortar ao correr do veio da madeira e com a folha fazendo com a madeira um ângulo de cerca de 60″.

Serrote de utilização geral:

Os serro­tes deste tipo possuem, em geral, um punho de plástico que pode ser regu­lado quanto ao seu ângulo, de maneira a adaptar-se ao trabalho de momento. A folha permite cortar madeira ou metal ou os dois em conjunto. Utilize este ser­rote para cortar madeira em mau estado ou com falhas, a qual poderá conter pregos escondidos. Tome muito cui­dado se a utilizar para cortar tábuas de soalho, pois poderá facilmente cortar através de canos e cabos eléctricos.

Serrote de ponta:

É utilizado para cor­tes interiores sem grande rigor, tais como rasgos para fechaduras (v. fecha­duras, rasgos para). Monte a folha com os dentes inclinados para a frente; alguns destes serrotes podem utilizar uma grande variedade de folhas, incluindo as dos serrotes para metais que estejam partidas. Com um berbe­quim, faça um furo inicial na parte da madeira a eliminar e depois serre com movimentos curtos e suaves.

Serrotes manuais de folha rígida:

O serrote de costas é o tipo mais larga­mente utilizado. Possui um reforço de aço ou de bronze a envolver a aresta superior (as costas) para manter a folha rígida; tem, geralmente, cerca de 25 cm de comprimento, com 14 ou mais den­tes por 2,5 cm. Existe uma versão mais pequena deste serrote, chamada serrote de costas para malhetes. Estes serrotes são os utilizados para cortar espigas para fazer junções em trabalhos de madeira.

Serrote de recortes, ou serra de rodear. É constituído por um punho geralmente de madeira e uma armação metálica em forma de arco que segura uma folha fina e de dentes afiados; a folha é montada em pernos de fixação. Mantenha uma pressão firme sobre a folha. Os suportes da folha são articula­dos e podem ser regulados de modo que o serrote possa cortar em todas as direcções. Para um trabalho normal, monte a folha de forma eme os dentes fiquem voltados em sentido contrário ao do cabo para poder cortar no movi­mento para a frente. Para materiais muito finos, coloque a folha com os dentes voltados para o cabo e corte quando puxar o serrote para si. Para fazer cortes interiores, abra primeiro um furo com um berbequim. Passe a folha através dele e só então a monte na armação do serrote.

Serrote de cabelo:

A armação que segura a folha de dentes finos forma um arco profundo, permitindo cortar uma zona afastada das beiras numa peça de madeira muito fina. Coloque a madeira na horizontal e prenda-a com grampos, de modo que a área a cortar fique fora do banco. Corte com o punho por baixo da peça e os dentes voltados para o punho. Utilize movimentos curtos e firmes.

Serrote para metais:

Este serrote corta a maioria dos metais, bem como tubos de plástico. Possui uma armação em arco na qual se montam as folhas com os dentes voltados para a frente. Algumas armações permitem montar folhas de diversos comprimentos. As folhas que se utilizam nestes serrotes apresentam dentes numa grande varie­dade de tamanhos e espacejamento; em regra, utilizam-se folhas de dentes finos para serrar chapas de metal muito finas e de dentes grossos para materiais macios como o alumínio. Existem serro­tes para trabalhos especiais, como o ser­rote pequeno de armação fixa (Júnior) e o serrote de serralheiro.

Serrote de cabelo para metais:

E uti­lizado para cortar chapas de metal gran­des nos casos em que não é possível utilizar um vulgar serrote para metais por a armação limitar o comprimento do corte.

Serrote de jardineiro:

Este serrote possui uma armação resistente de aço tubular na qual se monta uma folha de aço. Existe em diversos tamanhos, mas os mais utilizados variam entre os 60 e 90 cm. Os dentes da folha são próprios para cortar a madeira e limpar a serra­dura. A folha corta igualmente bem em qualquer dos sentidos.

Serrote de podar:

E um serrote com um punho simples e uma folha curva com os dentes voltados para trás, de modo que só poderá cortar quando o puxa para si.

Serras eléctricas:

Como medida de segurança, desligue a serra da tomada quando não estiver a utilizá-la. Empre­gue sempre uma lâmina afiada e monte-a da maneira correcta. Mantenha o cabo de ligação à corrente sempre bem afastado da lâmina.

Use óculos de protecção para evitar que os olhos sejam atingidos por frag­mentos e serradura. Certifique-se de que a lâmina não irá danificar nada que esteja por baixo da superfície a traba­lhar. V. também ferramentas eléctri­cas, segurança com.

Utilização de serras eléctricas:

Com a serra afastada da madeira, ligue o interruptor e, quando a serra alcançar a velocidade máxima, comece a cortar. Para obter um corte limpo, regule a pro­fundidade de corte para mais 3 mm do que a espessura da madeira. Não force a serra através da madeira, pois assim diminuirá a velocidade da lâmina, e esta tem necessidade da velocidade máxima pata trabalhar convenientemente. Quando o corte estiver terminado, deixe a lâmina parar completamente antes de a reti­rar da madeira.

As serras eléctricas cortam de baixo para cima. Por este motivo, para cortar tábuas com revestimento deverá colocá–las com a face voltada para baixo. Mar­que esta face com uma faca afiada e trace uma linha orientadora no lado contrário, linha essa a ser seguida com a serra.

Serra circular:

Embora estas possam ser compradas como acessórios de um berbequim eléctrico, será melhor utili­zar uma serra circular autónoma, pois é mais potente.

Utilize a serra para cortes à direita em pranchas de madeira. Contudo, a pro­fundidade máxima de corte é limita­da — normalmente, 5 cm numa lâmina de 15 cm de diâmetro. As lâminas po­dem ser reguladas para cortarem â sua profundidade total ou parcial ou em determinado ângulo.

São vários os tipos de lâminas para serras circulares: para o corte de pran­chas de madeira e tábuas cm geral; para o corte, transversalmente ao veio, de madeira de folhosas e resinosas; para o corte grosseiro ao correr do veio; para cortes muito finos em todas as madei­ras; para cortar materiais abrasivos, tais como aglomerado de madeira, em que o material de ligação danificaria rapida­mente uma lâmina comum; para cortar cobre, chumbo e latão ou outras ligas, e para cortar alvenaria e cerâmica.

Serra alternativa de recortes:

Mais versátil do que a serra circular, esta serra pode utilizar uma variada gama de lâminas para cortar madeira, gesso, metal, couro e borracha, A serra pode dispor de mais de uma velocidade, de um extractor de poeiras, uma cabeça móvel para cortar curvas e um prato de assentamento articulado e retráctil.

Serra de vaivém:

Ferramenta relativa­mente recente, é, na realidade, um ser­rote manual equipado com motor. Está apta a cortar uma grande variedade de materiais, desde ramos grossos de árvo­res a tubagem metálica. São necessárias ambas as mãos para a segurar. V. tam­bém motosserra; ferramentas manuais. como afiar.


One Response

  1. Jair Martins 22 de Março de 2012

Adicionar Comentário