Como fazer a preparação do solo

O solo ideal para cultivar plantas é húmido, leve e escuro, isto é, rico em matéria orgânica em decomposição. Para obter um bom solo e mantê-lo tão próximo quanto possível das condições ideais, forneça-lhe bastante quantidade de matéria orgânica em decomposição (v. COMPOSTO) e todos os restantes elementos necessários — v. ADUBOS.
Como trabalhar a terra. A camada superior do solo, a mais fértil, pode ler uma profundidade de 5-30 cm, embora em jardins antigos e bem tratados possa atingir 60 cm. E geralmente fácil verificar onde termina a camada superior, porque o subsolo é de uma cor mais clara. Mantenha-a bem drenada e alise a bem para semear e plantar.
Cave os canteiros de onde retirou plantas ou sementeiras à medida que vão ficando vazios; arranque todas as ervas daninhas, aplique um herbicida (v. ERVAS DANINHAS) e deite-lhes composto. Não cave à volta de ARBUSTOS e árvores de fruta para não danificar as raízes. Introduza composto no solo em redor sem tocar nos troncos.

Tipos de solo:
O melhor solo é aquele que é fértil, bem drenado, com equilíbrio de argila e areia. O solo arenoso, leve e aberto, requer pouca cava, embora seque muito depressa. Tem necessidade de muito composto para conservar volume e manter-se húmido.
O solo argiloso é pesado para trabalhar e lento para aquecer. As suas partículas finas agarram-se umas às outras, formando torrões; tornam-se pegajosas quando molhadas e duras como pedras quando secas. É geralmente um solo rico mas mal drenado que exige a incorporação de composto, estrume ou terriço, Junte-lhe areia grossa ou cinzas expostas ao tempo para o ajudar a abrir-se.
Não cave o solo argiloso molhado. Espere até que já não se agarre às suas botas. É mais fácil cavá-lo no Outono, permitindo, além disso, que as geadas do Inverno o ajudem a destorroar para as sementeiras da Primavera.
O solo calcário, normalmente pouco fundo, seca rapidamente, mas torna-se pegajoso quando molhado. Deve juntar-lhe composto e estrume para lhe dar volume e nutrientes. O solo de turfa tem tendência para alagar e é geralmente ácido e deficiente em fósforo e potássio. Neste tipo de solos mal drenados é relativamente fácil cavar valados fundos e enchê-los até ao meio com cascalho para ajudar a sua drenagem.

Calagem:
Todos os solos, à excepção do solo calcário, devem ser ocasional¬mente melhorados com cal para que não se tornem ácidos. A maioria das plantas desenvolve-se melhor num solo neutro, ou seja onde existe equilíbrio entre a alcalinidade e a acidez. A acidez ou a alcalinidade de um solo são medidas de acordo com uma escala, conhecida por escala pH. O solo neutro é pH7. Um solo com um pH mais alto (superior a 7) é alcalino e não precisa de mais cal se o pH for mais baixo, o solo é ácido. Pode adquirir facilmente os acessórios para medição do pH, mas deve ter em conta o facto de este variar em diferentes locais nas diversas estações do ano.
Aplique carbonato ou óxido de cálcio à superfície do solo, numa proporção de 200 g por melro quadrado num solo de mediana tenacidade e acidez moderada; utilize metade dessa quantidade em solo arenoso e duplique-a em solo pesado. Repita esta operação uma vez em cada cinco anos no Outono. A cal dissolve-se rapidamente no solo, mas não produz um efeito imediato. Em solos ácidos, aplique o dobro da quantidade usada para solos neutros, mas não o faça em demasia para não o tornar deficiente em ferro e magnésio. Não misture a cal com estrume orgânico ou outros fertilizantes, pois esta destruirá nutrientes valiosos contidos nestes últimos. Aplique a cal pelo menos um mês antes ou, no mínimo, dois meses depois do estrume ou do fertilizante.
Se o solo for demasiado alcalino, corrija deitando turfa e cavando.
Estrumar e adubar. O adubo e o estrume em conjunto não só melhoram a estrutura do solo, como também fornecem nutrientes. Os fertilizantes químicos fornecem nutrientes, mas não melhoram a estrutura. Assim, a utilização contínua de fertilizantes, não com¬pensada pela aplicação de estrume, provoca a deterioração da estrutura do solo.
Não deite estrume fresco directa¬mente no solo, a menos que o enterre bem fundo, e deixe o solo de pousio durante o Inverno. O estrume fresco é demasiado rico e inibe o crescimento da planta. Empilhe-o num monte firme e deixe-o a curtir. Recolha a água de escorrência do estábulo, rica em nutrientes, e deite-a no monte de estrume. Quando cavar a terra, junte-lhe composto ou estrume bem curtido — cerca de um balde por metro quadrado.
Rotação de culturas. Diferentes tipos de plantas retiram do solo tipos e quantidades diferentes de nutrientes. Em geral, em todas as culturas deve proceder-se a uma rotação, que é variável com o lipo de culturas, mas que deve ser feita para não esgotar o solo em nutrientes. Uma forma de rotação muito utilizada em hortas consiste na divisão do terreno em três parcelas, com um ciclo de ervilhas, couves e cenouras ou nabos.


Adicionar Comentário