Como saber a Calendarização de Vacinas

As vacinas protegem contra as infecções provocadas por vírus e bactérias. Durante o primeiro ano de vida, a criança deverá fazer as seguintes vaci­nas:

Até aos 2 meses: BCG — contra a tuberculose.

Aos 3 meses: contra a difteria, tétano e tosse convulsa. Trata-se normalmente de uma vacina tríplice contra todas estas doenças, administrada por injec­ção. Simultaneamente, a vacina contra a poliomielite é administrada sob a forma de gotas orais.

Aos 4 meses: a segunda dose da vacina tríplice.

Aos 5 meses: a terceira dose da vacina tríplice; a segunda dose da vacina anti-poliomielite.

Aos   12  meses:  a  terceira  dose  da vacina antipoliomielite. Após o primeiro ano de vida:

Aos 15 meses: vacina anti-sarampo, papeira e rubéola.

Aos 18 meses: primeiro reforço da vacina tríplice.

Aos 24 meses: primeiro reforço da vacina antipoliomielite.

F.ntre os 5 e os 7 anos: reforço da vacina (vacina dupla contra a difteria e tétano); reforço da vacina antipoliomie­lite.

F.ntre os 10 e os 12 anos: reforço da vacina antipoliomielite e da vacina con­tra o tétano.

Aos 13 anos — apenas para jovens do sexo feminino: vacina anti-rubéola (facultativa).

Posteriormente, a vacina contra o tétano deve ser inoculada de cinco em cinco anos. Só se deve proceder à ino­culação de qualquer vacina quando a criança se encontra de perfeita saúde.

Uma criança que tenha sofrido uma lesão cerebral com tendência para ata­ques epilépticos ou com casos de epi­lepsia na família não deve ser automati­camente imunizada. Convém informar previamente o médico da situação, de modo que ele decida da conveniência e segurança da vacinação. Deve também informar-se previamente o médico no

caso de uma criança alérgica a qualquer substância — por exemplo, â penicilina ou aos ovos , que  sofra de leucemia ou da doença de Hodgkin ou esteja a tomar qualquer medicamento. De igual modo, uma criança que manifeste uma reacção intensa a determinada vacina não deve repeti-la sem consultar o médico.


Adicionar Comentário