DICAS PARA FAZER MESTRADO

O mestrado é uma experiência única para muitas pessoas, que envolve demasiadas preocupações e certa dose de sofrimento. Mas uma coisa é verdade: não precisa ser assim. Há outro caminho muito menos doloroso e sem tantos traumas, que podem ser levadas em consideração.

Existe um caminho melhor e você pode conhecer agora duas grandes dicas para fazer mestrado e conseguir concluir essa etapa na sua formação.

Um dos maiores problemas enfrentado no mestrado é o tempo curtíssimo para realizá-lo. Por isso, sempre é uma boa ideia investir em sua preparação, antes mesmo de se inscrever como candidato.

dicas para fazer o mestrado1

Dicas

Uma primeira dica importante é: seja alguém com assunto. Como fazer isso? Se dedique a conhecer um tema que seja de sua preferência: leia livros, revistas, blogs, assista vídeos, filmes, documentários, procure notícias, enfim, esteja constantemente atento sobre as novidades que surgem naquele tema.

A internet fez um grande favor para todos que querem se manter atualizados assim, com as ferramentas de buscas online cada vez mais fáceis de usar e precisas em seus resultados (vale a pena explorar o “Google Alerts”).

Percebeu o raciocínio? Fazendo essa constante investigação pessoal de um tema, toda a experiência do mestrado será muito mais fácil, prazerosa e interessante, pois você não terá aquele frio na barriga, aquela agonia que dá quando se escuta a temível pergunta: “qual é a sua questão de pesquisa?”.

Essa é uma das primeiras perguntas que você deve ouvir lá dentro e a mais custosa que você vai precisar responder. O custo que ela carrega intrinsecamente é o de ser uma grande definidora do futuro de seu mestrado, visto que, uma vez escolhida a dita questão, você despenderá o esforço altamente concentrado de encontrar, ler e entender o máximo de livros e informações sobre seu tópico.

Além disso, ainda temos o agravante de que, com o aumento das exigências de qualificação do mercado, as instituições precisaram se adaptar, reduzindo a duração do mestrado pela metade, de quatro para somente dois anos.

Nesse período, o primeiro ano é dedicado para as disciplinas obrigatórias e o segundo ano fica normalmente reservado para escrever a dissertação.

Logo, o desafio está no fato de que esse processo de escritura engloba a elaboração de um projeto de metodologia científica, em que o mestrando propõe um problema ou questão de pesquisa sobre o qual ele irá criar hipóteses, buscando em suas leituras ou na pesquisa de campo as evidências e fundamentos para a sua argumentação, da qual deve trazer conclusões e defendê-las de maneira plausível diante de uma banca de especialistas – o que precisa ser feito em um prazo de aproximadamente um ano!

Então, aqui está a segunda dica de ouro: não espere para pensar no que vai escrever só depois de entrar no mestrado, ou, como alguns estudantes fazem, somente após o fim das matérias obrigatórias. Vá exercitando sua mente na criação de várias possíveis questões de pesquisa e pensando em hipóteses para respondê-las.

Seguindo essas dicas, você terá tempo à vontade para passar do nível de conhecimento básico ao avançado, podendo ler, entender, digerir e internalizar na sua mente os conceitos do assunto sobre o qual você irá escrever, fazendo esse estudo no seu próprio ritmo e de maneira saudável.

Caso contrário, o prejuízo poderá ser uma pesquisa empobrecida e sem profundidade, sem falar do estresse, que pode atingir níveis altíssimos. Faça diferente, passe faça um tempo de preparação e venha para o mestrado com um interesse específico, assim você terá uma grande vantagem nessa empreitada.


Adicionar Comentário